A Record está em uma situação delicada. Isso porque o MPT SP, Ministério Público do Trabalho de São Paulo, julgou como culpada a emissora do bispo da Igreja Universal do Reino de Deus, Edir Macedo. A rede de TV terá que pagar uma alta indenização, de meio milhão de reais. O pagamento se deve à condenação de danos morais coletivos. O Ministério Público do Trabalho de São Paulo constatou que a empresa de comunicação não enviava relatórios para o INSS, Instituto Nacional de Seguridade Social. Todas as empresas, inclusive, as de comunicação são obrigadas por lei a enviar dados sobre funcionários doentes ou acidentados em decorrência de sua atividade laboral.

Segundo informações do site Natelinha em reportagem publicada nesta segunda-feira, 03, o canal da Barra Funda não emitia os chamados CATs, que são esses relatórios que explicamos acima. Um dos mais importantes e que não era analisado pela rede de TV eram as lesões por LER, que são as lesões por esforço repetitivo. O canal também não enviaria os dados referentes a doenças osteomusculares, entre elas a tendinite e lesões na coluna.

De acordo com o Ministério Público do Trabalho, a Record não enviaria esses relatórios obrigatórios para evitar a fiscalização. Como não enviava os itens, não tinha como o MPT sugerir melhorias nas condições de trabalho dos profissionais da emissora. A empresa de Edir Macedo ainda disse que a culpa não era dela, que as doenças dos funcionários não foram adquiridas na empresa, e, que, por isso, não enviava os tais CATs.

Os melhores vídeos do dia

"As empresas tem a obrigação de enviar essa documentação, até mesmo a de pessoas que também enviam esses documentos por autorização do MPT. Uma coisa não exclui a outra", explico a juíza Regina Celi Vieira Ferro, responsável por dar a sentença condenatória. 

A juíza condenou um dos maiores canais de televisão do Brasil a pagar uma multa de R$ 500 mil por dano moral coletivo. O dinheiro vai para o FAT, Fundo de Amparo ao Trabalhador. Caso a rede de TV volte a cometer o erro, ela terá que pagar R$ 10 mil por cada relatório que não for enviado ao MPT.