Um grupo de manifestantes formado por estudantes de escolas públicas e cursos técnicos invadiu, nesta quinta-feira (28), o Centro Paula de Souza, localizado na Avenida Paulista, região central de São Paulo. O grupo reivindicava contra a máfia da merenda, além dos cortes para educação. Os estudantes se reuniram para a caminhada que teve início no Masp e foram até a Avenida Brigadeiro Luis Antônio.

Polícia agiu usando spray de pimenta contra os manifestantes.

 Annie Zanetti, repórter da rádio CBN que cobria o manifesto foi atingida no rosto. A repórter recebeu atendimento médico e passou por exames. De acordo com Annie, ela filmava toda a ação dos estudantes quando passou a filmar também os policiais, que segundo a repórter faziam uso de gás de pimenta e de cassetetes. De acordo com seu relato, neste momento um policial passou e a atingiu no rosto e na orelha.

A assessoria de imprensa da Polícia Militar respondeu afirmando que o uso de gás de pimenta está em desacordo com o procedimento para este padrão e que os fatos serão averiguados. 

O Centro Paula de Souza confirmou através de nota que foi enviado a eles pelos estudantes, um documento com reivindicações. De acordo com a nota, os itens incluíam democratização, terceirização, merenda e outros mais. O Centro relatou que foi proposto uma conversa com os estudantes, mas até então não tiveram retorno.

Não perca as últimas notícias!
Clique no tema que mais te interessa. Vamos te manter atualizado com todas as últimas novidades que você não deve perder.
Polícia Governo

Secretaria de Educação do Estado disse em nota, que está colaborando com as investigações e se sente vítima da Operação Alba Branca (operação que apura a fraude na merenda escolar). 

Máfia da merenda

Alunos afirmam que algumas escolas estão sem receber merenda, depois que a investigação da Polícia Civil junto com o Ministério Público descobriu o esquema de fraudes na merenda escolar. O ato de reivindicar foi combinado em redes sociais, onde os manifestantes afirmam que além dos desvios de verbas públicas, as escolas sofrem com fechamento de salas e turnos.

Na página do evento no Facebook, o texto afirma que o Governo desrespeita continuamente os professores de escolas públicas no Brasil.

Não perca a nossa página no Facebook!
Leia tudo