A Rua Champs-Élysées é mais bela que a rua da minha aldeia, mas a Rua Champs-Élysées não é mais bela que a rua da minha aldeia, porque a Rua Champs-Élysées não é a rua da minha aldeia.

Quase ninguém conhece a rua da minha aldeia e o que é pior, não dá a mínima importância para a rua da minha aldeia. A rua onde moro não é pequena, não é grande, é uma rua interessante, com livrarias, tribunal de contas do município, hospitais, igrejas, sindicato dos trabalhadores, comerciantes, lojas de roupa, salão de beleza, delegacia de polícia, e o que é mais importante MORADORES.

Gente que mora nas casas antigas da rua, famílias que moram nos apartamentos e gente que mora na rua, vive na rua.

No mês de agosto, quando é época da floração dos Ipês, bem no quarteirão da minha rua tem um Ipê, que deixa ela mais charmosa ainda, a linda árvore fica bem perto de uma tradicional casa de Pão de Queijo, o melhor da cidade, onde personalidades tomam seu café e as não personalidades também, pessoas da comunidade.

É vergonhoso para nossa cidade ter uma rua na situação que encontra-se a minha rua, abandonada, triste e feia. A minha rua está suja, feia, árvores precisando de poda, escura, mal cuidada, violenta e não é só "culpa" dos moradores que não têm casa e apartamento e ali estão também morando. Em frente a minha casa mora um ex- jogador, que fez história no futebol Goiano, para mim o melhor centroavante aqui do cerrado, com todo respeito ao leão da Serra e ao meu Ídolo Bill, o Guilherme era dono de uma habilidade de poucos centroavantes.

Não perca as últimas notícias!
Clique no tema que mais te interessa. Vamos te manter atualizado com todas as últimas novidades que você não deve perder.
Curiosidades

Há o tradicional Boteco, com boa freguesia de bons apreciadores da bebida, da famosa costela, mas o comerciante precisa encontrar solução para determinadas situações que acabam por incomodar toda a vizinhança.

Sempre que saio ao portão e vejo a realidade da minha rua, fico pensando o que tenho que fazer para transformar a minha rua na rua mais linda da minha cidade. Diante do caos surgiu a ideia da RUA CRIATIVA, isso mesmo, a rua 70 no centro de Goiânia que começa na Avenida Independência e termina na Avenida Paranaíba, será transformada em Rua 70 a RUA CRIATIVA, com suas características e potencialidades, já mencionadas acima.

Com a simplicidade criativa podemos promover na rua, uma feira literária aproveitando as livrarias e distribuidoras de livros; podemos também fazer a RUA DA SAÚDE aproveitando os profissionais dos hospitais; por ser uma rua tranqüila podemos realizar noites culturais, pois, a secretaria de cultura da minha cidade é muita boa e apoiará a iniciativa; passeios esportivos; e faremos o DIA DOS DIREITOS HUMANOS DA CRIANÇA E DO ADOLESCENTE e também de todos os Direitos Humanos.

O dia do Trabalhador será comemorado várias vezes durante o ano, por exemplo: Dia da Família Trabalhadora; Festas Religiosas com as Igrejas da rua; Feiras de roupas e mais outras ideias que surgirem.

Para colaborar com o sucesso da rua criativa, vou disponibilizar a minha casa que fica no Nº 115, para ser o escritório de mobilização das ações e recursos. Constituiremos um grupo gestor da rua criativa que trabalhará a sustentabilidade do projeto, solicitará o apoio dos gestores governamentais, empresários, da comunidade.

Os moradores que hoje moram na rua serão convidados para participar do Projeto da Rua Criativa e depois com o passar do tempo teremos mais ruas cuidadas pelos gestores públicos em parceria com a comunidade.

Se todos concordarem, colocaremos na entrada da Rua Criativa o verso do poema " O Guardador de Rebanhos" de Alberto Caeiro, O Tejo é mais belo que o rio que corre pela minha aldeia, mas o Tejo não é mais belo que o rio que corre pela minha aldeia, porque o Tejo não é o rio que corre pela minha aldeia.

Afinal rua criativa tem que ter poesia... Sempre!



Não perca a nossa página no Facebook!
Leia tudo