Iniciamos mais um ano, comemoramos com familiares e amigos com a sensação de dever cumprido, conquistas alcançadas, de alegria, ou mesmo, com a sensação de fracassos, tristezas, frustrações. Mas, com a certeza de que recebemos mais uma chance de reescrever ou dar continuidade em nossa história. E assim, nos sentimos profundamente afetados com estas sensações. Levando-nos a refletir, tomar decisões, ter esperanças, criando expectativas de um mundo melhor para nós e para toda a humanidade.

Esse final de ano foi marcado por muitas tragédias (acidentes aéreos e marítimos), muitos acontecimentos violentos (assassinatos), muitas tristezas numa época que se comemora a chegada de um novo ano, de um uma realidade mais feliz, com mais oportunidades, mais justiça, dignidade e paz.

A um passo do ano novo chegar, anunciam-se resoluções por parte dos detentores do poder, sobre aumentos e mais aumentos de impostos e reduções do orçamento dos direitos sociais. Quando precisamos de maiores investimentos, mais valorização de nossos direitos. E assim, anuncia-se antecipadamente mais um ano difícil para a população, e mais ainda, aos menos favorecidos. Festejamos, damos gargalhadas, brindamos, celebramos a esperança de um ano menos difícil e mais feliz. Então pergunto: ano novo, vida nova?

Por mais que tenhamos a convicção de que caminharemos para um futuro melhor, quando nos empenharemos de corpo e alma para novas conquistas, novos sonhos, novos investimentos profissionais, para uma vida com mais qualidade, mais alegrias, a realidade já se mostra com a mesma tendência desumanitária, injusta e exploradora. E assim, mais um ano difícil, muitas coisas a serem transformadas, e muitas coisas se repetindo escancaradamente.

Para este ano de 2015 ainda continuarão os grandes desafios pessoais e coletivos.

Vai ficar por fora de assuntos como este?
Clique no botão abaixo para se manter atualizado sobre as notícias que você não pode perder, assim que elas acontecem.
Curiosidades

Comemoramos nos momentos festivos, nos sensibilizamos, choramos, rimos, nos revigoramos com o amor e carinho inspirados pela energia festiva, pelo aconchego da família e dos amigos. E agora, o que nos espera? O que estamos dispostos a fazer para uma mudança real em nossa política, em nossa sociedade, em nossos valores ultrapassados, limitadores, egoístas, preconceituosos e desumanitários?

Reflitamos portanto, não podemos ficar presos ao nosso próprio umbigo, a nossa alegria passageira de uma época festiva no final de ano.

Enquanto comemoramos e nos distraímos dos assuntos e contextos altamente importantes para nossa vida e a de toda sociedade, mentes renovam suas estratégias de domínio, de legitimação de poderes, de garantias de vantagens individualistas, de domínio e manipulação de mentes da massa. Mentes dominantes, comemoram e brindam, mas, atentos aos seus objetivos, decididos e com foco bem definido.

O que pensamos em fazer diferente? Como meus próprios sonhos e minhas realizações podem contribuir com esse contexto?

Teremos um ano novo mais justo e humanitário, se presos em nossos próprios umbigos? Temos todo o direito de uma felicidade sim, a nossa e a de nossa família. Mas, teremos realmente uma felicidade plena, se a sociedade continuar caminhando para esse caos que presenciamos? Não nos iludamos, só teremos paz e felicidade, quando existir dignidade e justiça social. Quando toda a humanidade puder sorrir juntos de forma solidária, humana e fraterna. Enfim, só seremos felizes de forma plena, quando essa felicidade se estender para toda a humanidade.

Desejo a todos um ano realmente novo devido ao empenho de cada um de nós em transformar essa sociedade e essa política retrógrada. Um ano que ao final, comemoremos grandes mudanças e conquistas com mais justiça, paz, dignidade e real felicidade.

Feliz tentativas novas que começam dentro de cada um de nós!

Não perca a nossa página no Facebook!
Leia tudo