Na última sexta feira (16), a ministra de Direitos Humanos da Presidência da República (SDH), Ideli Salvatti, relatou seu pesar por ainda existir pena de morte, em seu comentário sobre a condenação por fuzilamento do brasileiro Marco Archer, por tráfico de drogas na Indonésia.

"É lamentável que esse tipo de pena ainda exista, sendo que é uma sentença irrecuperável. Acreditamos que a pessoa, por mais que tenha errado, possa ser ressocializada", falou a ministra Ideli Salvatti, durante uma solenidade para entrega de equipamentos a conselhos tutelares no Rio de Janeiro.

Ideli Salvatti relatou que o Governo brasileiro vem atuando de todas as maneiras para procurar impedir a execução de Marco Archer. Isso desde o governo de Luiz Inácio Lula da Silva. Lamenta também que as negociações não tenham dado certo devido à mudança de governo na Indonésia, em que o novo presidente tem como objetivo endurecer as penas sobre as questões do tráfico de drogas.

Ontem (16) pela manhã, a ministra Ideli Salvatti acompanhou a presidenta Dilma Rousseff em um apelo ao presidente da Indonésia, Joko Widodo.

Dilma Rousseff falou como presidenta e como mãe e fez questão de ressaltar que esse tipo de condenação não existe na legislação brasileira e que há mais de 150 anos não ocorre execução no Brasil.

"Mesmo com todos esses apelos, não conseguimos sensibilizá-los. Vamos acompanhar. Talvez meditando um pouco mais, haja alguma mudança", falou a ministra Ideli Salvatti.

O brasileiro, que deverá ser executado na madrugada desse domingo (às 15 horas desse sábado, de acordo com o horário de Brasília), recebeu hoje a visita de sua família - que talvez seja sua última visita.

Não perca as últimas notícias!
Clique no tema que mais te interessa. Vamos te manter atualizado com todas as últimas novidades que você não deve perder.
Governo

Marcos Archer Cardoso Moreira é brasileiro, tem 53 anos e é instrutor de voo livre. Foi flagrado tentando entrar na Indonésia com 13 quilos de cocaína, escondidos nos tubos de uma asa delta. Ainda chegou a fugir, mas foi preso duas semanas depois.

Os familiares e amigos estão desesperados, mas não perdem as esperanças e pedem que todos orem em uma corrente do bem para que um milagre possa vir a acontecer.

Enquanto há vida, há esperança. É o que todos tentam se apegar nesse momento.

Não perca a nossa página no Facebook!
Leia tudo