A Polícia Militar, o Conselho Regional de Medicina Veterinária (CRMV), a Vigilância Sanitária e o Ministério de Agricultura Pecuária e Abastecimento (Mapa) realizaram uma operação em parceria e Geraldo José de Pinho, 67, suspeito de exercer a profissão de médico veterinário sem ser formado na área foi detido. Isso aconteceu em Maceió, no bairro do Eustáquio Gomes, na manhã dessa quarta-feira (28).

A operação em conjunto tem como objetivo combater a ilegalizada no município. Além da suspeita de prática ilegal da medicina veterinária, o local no qual o detido trabalhava estava cheio de irregularidades. Pinho assinou o Termo Circunstanciado de Ocorrência [TCO] no 10º Distrito Policial (DP), para onde foi levado.

O estabelecimento, que não tem a licença ambiental necessário para poder funcionar, foi notificado.

Será estabelecido um tempo para que as adequações sejam feitas, mas caso isso não aconteça, o local poderá ser fechado.

Tudo começou quando o Conselho Regional de Medicina Veterinária recebeu denúncias sobre as ilegalidades do local. Além da prática médica ilegal realizada, como pequenas cirurgias e venda de medicamentos sem registro, e da falta de licença, faltava também ao comércio o Plano de Gerenciamento de Resíduos de Serviços de Saúde (PGRSS), que é obrigatório e rege as normas de descarte de material contaminado.

O estabelecimento foi proibido de vender medicações e só poderá vender acessórios e ração. Depois do registro da ocorrência, Geraldo foi liberado.

Não perca as últimas notícias!
Clique no tema que mais te interessa. Vamos te manter atualizado com todas as últimas novidades que você não deve perder.
Animais

Mais uma clínica veterinária foi autuada

Na mesma operação, de acordo com o site "Cada Minuto", o estabelecimento veterinário ClinVet também foi autuado na mesma data. A clínica não era registrada no Conselho Regional de Medicina Veterinária- CRMV. Embora a esposa dele fosse apresentada como responsável técnica pelo local, ela também estava sem registro como RT no CRMV. Outro problema foi a falta de registro dos medicamentos vendidos no estabelecimento que deviam ser registrado pelo Mapa.

O proprietário da clínica, João Batista de Morais Calheiros, 34, foi detido e também levado para o 10º DP. Ele tem 30 dias para regularizar a situação do local.

Não perca a nossa página no Facebook!
Leia tudo