A eleição de Eduardo Cunha (PMDB) para a presidência da Câmara dos Deputados pode ser considerada mais uma vitória do crescente conservadorismo brasileiro. Com 267 votos, o deputado derrotou o preferido da presidente Dilma, Arlindo Chinaglia (PT), que obteve 136 votos, além de Júlio Delgado (PSB), que ficou em terceiro lugar com 100 votos e Chico Alencar do PSOL, com 8 votos.

Para os movimentos sociais, que vêm lutando para ampliar e aprofundar discussões em torno de temas delicados como a união estável homoafetiva e a descriminalização do aborto e da maconha, um presidente da Câmara assumidamente conservador pode significar um grave retrocesso.

Deputado federal desde 2002, contando com o apoio do seu então padrinho político Anthony Garotinho, Cunha engrossa as fileiras da chamada "bancada evangélica", conhecida por assumir posições tradicionais e conservadoras, vistas como estando de acordo com os mandamentos da religião cristã.

Sendo assim, estamos diante de um novo presidente da Câmara que se posiciona abertamente contra a união estável homoafetiva e contra a descriminalização do aborto e da maconha.

E se a discussão quanto à criminalização dos atos preconceituosos contra homossexuais já não era de fácil resolução, vale lembrar que em 2010 Eduardo Cunha apresentou um projeto de lei com a proposta de criminalização do preconceito contra os heterossexuais.

Em tempos de acirramento das posições tradicionalistas, quando acabamos de eleger a Câmara mais conservadora desde 1964, segundo levantamento do Departamento Intersindical de Assessoria Parlamentar (Diasp) com uma expansão considerável dos segmentos militares, religiosos e ruralistas, a eleição de Eduardo Cunha é mais um largo passo em favor do conservadorismo.

Não perca as últimas notícias!
Clique no tema que mais te interessa. Vamos te manter atualizado com todas as últimas novidades que você não deve perder.
Opinião

O povo merece? Resta esperar que o presidente da Câmara não se esqueça do bordão que tornou famoso nas rádios e que utilizou como slogan de campanha: "O povo merece... respeito!". Isso deveria significar também: respeito à diversidade de gênero e respeito à vida das mulheres que recorrem diariamente ao aborto em condições precárias. Mas será que vai ser assim?

Não perca a nossa página no Facebook!
Leia tudo