A rede estadual de ensino está paralisada. Sem aulas, os alunos aguardam data para início das aulas que tem previsão informada para meados de abril.

Essa é a terceira semana de greve e de protestos pelos professores no estado do Paraná, nenhuma medida ainda foi tomada pelo governo ou pelos dirigentes. O protesto ocorre por corte nas verbas dos funcionários do estado, o chamado 'pacotaço'. Esses cortes estariam afetando direitos adquiridos ao longo de muitos anos de luta não só pelos professores, mas por todos os servidores públicos estaduais.

Na última semana, a assembleia foi invadida pelos manifestantes em revolta por mais um adiamento da votação do projeto, a invasão não foi contida pelos policiais que acompanham o protesto.

Por que nada fizeram?

A resposta é simples. Assim como os professores, os policiais militares presentes no manifesto também não recebem seus proventos há algum tempo, bem como terão verbas cortadas caso seja aprovado o projeto 'pacotaço' (o pacotaço foi aprovado e, posteriormente foi retirado pela casa civil para 'reexame'). Além do mais, sob forte sol e calor que anda rondando Curitiba, manifestantes se compadeceram dos policiais e lhes deram água, comida e chocolates.

Servidores de outras áreas do estado aderiram ao manifesto e ontem (25), várias repartições públicas não estavam atendendo ao público. Muitos se juntaram à marcha pela Educação, que ocorreu no centro de Curitiba, que reuniu centenas de manifestantes, paralisando o centro cívico da capital paranaense.

Protesto dos caminhoneiros.

Quilômetros das rodovias paranaenses estão paralisados pelo manifesto dos caminhoneiros contra o aumento do PIS, COFINS, do preço da gasolina e dos pedágios, bem como segurança nas rodovias.

Os melhores vídeos do dia

Com as medidas do governo em aumentar impostos, os motoristas, transportadores de bens de consumo, estão com cada vez menos saídas financeiras e pouco retorno.

A classe dos caminhoneiros protesta contra o aumento da receita do estado, que encarece o frete, tanto por que o valor que recebem mal cobre os custos com o transporte, sendo ainda informado por eles que mais de 75% do valor do frete é destinado unicamente para as despesas, considerando ainda que o preço pago pelo frete caiu muito nos últimos tempos.

Outro motivo que leva os caminhoneiros a manifestar é o fato de que os pedágios tiveram um aumento significativo, além da insegurança nas estradas com os vários assaltos e rodovias em situação precária.

Com a paralisação dos caminhoneiros, as estantes e cestas de supermercados e postos de gasolina começam a ficar vazios, em algumas cidades do interior as aulas foram suspensas pela falta de combustível no transporte escolar e merenda para os alunos.

Ainda com a incerteza do fim da paralisação, pessoas começam a estocar em casa produtos de alimentação e higiene e compram todo o combustível que conseguem.

Sobre a compra de combustível e a falta, em decorrência da paralisação, donos de postos de combustíveis aumentaram o preço e alguns foram presos por cobrar preços abusivos.

Nesta onda de protestos, pessoas estão ficando sem alimentos básicos, combustíveis e alunos sem aulas, entretanto, é compreensível todo o ato de protesto que ocorre nos últimos dias. O povo finalmente acorda para os seus direitos e percebe que na democracia quem manda é o povo!