Em meio às mudanças ocorridas desde a semana passada com a saída de Graça Foster e de toda a diretoria e nomeação do presidente Bendine, impactando na queda das ações da companhia, surge mais um fato para envolver o nome da Petrobras e, dessa vez, envolvendo vidas. No litoral Norte do Espírito Santo, a explosão do navio-plataforma deixou três mortos, dez feridos e o desaparecimento de seis pessoas, de acordo com a Agência Nacional de Petróleo (ANP).

A embarcação em que o acidente ocorreu é contratada (afretada) e estava a serviço da petroleira. Trata-se da primeira para gás instalada no Brasil, com capacidade para processar 10 milhões de m3 de gás e 25 mil barris de óleo por dia. Pertencente à empresa BW Offshore, com sede na Noruega, o contrato compreende o período de 2009 a 2018. Opera desde o início da vigência, no pós-sal dos campos de Camarupim e Camarupim Norte, no litoral do Espírito Santo.

O FPSO (Floating Production Storage and Offloading ou Navio Plataforma Estocante de Produção) funciona como plataforma de produção, armazenamento e transferência de gás ou petróleo para outras embarcações.

De acordo com a ANP, o acidente no navio-plataforma FPSO, ocorrido por volta das 12h50, na cidade de São Mateus, no Espírito Santo, não causou derramamento de óleo no mar. Das 74 pessoas que embarcaram, 32 foram desembarcadas e 31 permanecem a bordo, mas com seis desaparecimentos.

Não perca as últimas notícias!
Clique no tema que mais te interessa. Vamos te manter atualizado com todas as últimas novidades que você não deve perder.
Petrobras

A tripulação da embarcação é mista, formada por brasileiros e estrangeiros. Após explosão, o sindicato dos petroleiros disse que a explosão poderia ter acontecido na casa de bombas ou durante a transferência de gás condensado.

Felizmente o fogo foi controlado e a plataforma está estabilizada, sem perigo de vazamento. Segundo informações da Petrobras, os feridos já foram transportados via helicóptero para atendimento médico em Vitória.

A Marinha do Brasil, através da Capitania dos Portos do Espírito Santo (CPES), pretende abrir inquérito administrativo referente a Acidentes e Fatos da Navegação (IAFN) de forma a investigar as razões e responsáveis pelo acidente. De acordo com a ANP, foi realizada a atualização de documentação marítima em setembro do ano passado e a Marinha emitiu declaração de conformidade esse ano para o navio-plataforma.

Não perca a nossa página no Facebook!
Leia tudo