Trabalhar para Dan Price deve ser, uma das melhores coisas da vida. O executivo abriu uma empresa de processamento de compras com cartão de crédito, chamada Gravity Payments - em 2004, quando tinha 19 anos e ainda estudava na Universidade de Seattle.

Desde então a empresa só cresceu, chegando, no ano passado a processar transações no valor de 6,5 bilhões de dólares, em mais de 12 mil Negócios - isso, sabemos, é para deixar milionário qualquer patrão.

Mas não é bem o caso de Dan. O CEO pode até ser milionário, bilionário, mas é aquele tipo de patrão que todos queremos: que reconhece o trabalho feito pela equipe - e ele demonstrou isso na atitude que tomou recentemente.

Para dar aumento aos seus funcionários, o fundador e CEO da empresa diminui o seu salário

Dan Price queria acabar com a desigualdade entre os salários de seus funcionários - o seu objetivo era pagar um salário mínimo (?) equivalente a US$ 70 mil por ano (para ter uma ideia, isso equivale a aproximadamente R$ 18.000,00 por mês) - até então a média de salário dos seus funcionários era de US$ 48 mil por ano.

A solução encontrada por ele para chegar ao valor que queria pagar, foi cortar o seu próprio pagamento em 90%, assim o aumento de salário dos funcionários se tornava viável.

Em entrevista ao New York Times, o executivo disse que a faixa de salário para ele, que é CEO, é absurda se comparada com a de um empregado normal. Disse ainda que o importante para ele é o bem-estar de seus funcionários, e que quer pagar salários a seus funcionários que os levem além do "sonho americano", quer que eles consigam comprar uma casa e pagar pela educação de seus filhos.

Não perca as últimas notícias!
Clique no tema que mais te interessa. Vamos te manter atualizado com todas as últimas novidades que você não deve perder.
Negócios

Dan Price é conhecido por ser uma pessoa simples, não dada a luxos - seu carro, por exemplo, é um Audi de 12 anos, que recebem em um negócio com um comerciante.

Talvez essa seja a forma dele demonstrar agradecimento pelo anos difíceis, como na crise em 2008, quando a empresa quase fechou, pois dois de seus maiores clientes foram à falência devido à recessão, o que causou uma queda de 20% em sua receita, no espaço de 2 semanas.

A sua empresa quase fechou, mas ele lutou até o fim e sem fazer nenhuma demissão - e sua equipe, composta em sua maioria de jovens como ele, esteve sempre junto.

Nada mal para quem tem apenas 29 anos, não?

Não perca a nossa página no Facebook!
Leia tudo