Num momento em que a crise no Brasil atinge patamares e efeitos que beiram o catastrofismo, percebe-se uma pequena mudança no comportamento do brasileiro.

Dados da PNAD (Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios) mostram que houve um aumento de 7,4% na taxa de desemprego, valor muito maior do que o apresentado em 2014, que era de 6,8%. Em números, quer dizer que mais de 15 milhões de pessoas estão desempregadas em todo o país.

A inflação mensal no país, medida pelo IPCA, é a mais alta desde fevereiro de 2013 e hoje, na casa dos 8%, tem grande torcida e é tema de orações para que não chegue aos 10%. Já a taxa de juros pode bater os 13,5%.

As vendas tem caído de forma brusca e muitos comerciantes começam a fechar as portas ou cogitam fazê-lo. Neste momento um dos setores que mais sofrem é o automobilístico, que amarga o pior número de vendas desde 1999, assim como todo o setor de bens duráveis.

No meio desta crise, recessão e inúmeras especulações, o 'diz que me disse' está levando um grande número de pessoas a retirarem todo o dinheiro que possuem guardados nas contas de poupança e retirar dos investimentos que haviam feito.

Tudo por medo de um novo confisco como ocorreu em 1990 pelo então recém eleito Presidente da República, Fernando Collor de Melo e pelo receio de verem seus investimentos irem por ralo abaixo.

Não perca as últimas notícias!
Clique no tema que mais te interessa. Vamos te manter atualizado com todas as últimas novidades que você não deve perder.
Opinião

Mas eis que os brasileiros, um tanto quanto mais cientes (ou menos imaturos), já não cobertos pelo véu do deslumbramento e a necessidade de manter a aparência de uma posição social de destaque, passam a cobrar o preço justo pelos serviços que utiliza e busca alternativas para manter sua saúde financeira.

Os caros e badalados restaurantes já não estão mais tão cheios. As lojas, de uma forma geral, já não estão mais tão movimentadas e nesse caminho, promoções para manter um fluxo de caixa são cada vez mais recorrentes, arriscaria dizer até que incomum não haver qualquer tipo de desconto que atraia algum cliente.

O único setor que parece não reduzir a marcha é o de estética e beleza, que cresceu substancialmente mesmo em meio a atual situação econômica do país.

Que cada vez mais haja conscientização do real valor do dinheiro que se tem no bolso, que se cobre e que se pague o preço justo pelos bens e serviços, e chega de tanto impulso na hora de consumir. Consumir com prudência é assegurar o necessário para um futuro próximo sem boas perspectivas.

Não perca a nossa página no Facebook!
Leia tudo