França, Alemanha, Austrália, Japão, Nova Zelândia, Irlanda, Áustria, Hungria, Grécia, Bulgária, Luxemburgo, Ilha da Madeira, Suíça, Índia e Tailândia - esses são alguns dos países que adotaram restrições ao cultivo e ao consumo de transgênicos, devido à problemas econômicos, ambientais e riscos para a saúde.

O Roundup da Monsanto, usado em plantas transgênicas resistentes a este herbicida, foi apontado em recente relatório da Organização Mundial de Saúde (OMS) como substância com potencial risco de causar câncer. No Brasil, está em discussão a não exigência de rotulagem de alimentos transgênicos.

O relatório da OMS aponta que o glifosato, vendido pela Monsanto com o nome Roundup, passou a ser classificado como substância do grupo 2A.

Isso indica que o agente é "provavelmente cancerígeno para os seres humanos", de acordo com a classificação da OMS. Esta categoria é utilizada pela OMS quando existe uma evidência limitada de que o composto cause câncer em humanos, mas provas suficientes de que causa câncer, obtidas em experimentos com animais.

Pelo fato das plantas transgênicas, como a soja, serem resistentes ao herbicida, grandes quantidades do defensivo são lançadas diretamente nas plantas a serem consumidas. A Monsanto sempre argumentou que o Roundup seria inofensivo. Várias evidências e estudos têm, no entanto, demonstrado o contrário. Os danos ao ambiente e à saúde de quem aplica ou consome os produtos que recebem o herbicida são relatados em vários estudos, que resultaram na mudança da classificação da substância pela OMS.

Os melhores vídeos do dia

No Brasil, as decisões do governo federal sobre transgênicos, contam com o apoio técnico e consultivo da Comissão Técnica Nacional de Biossegurança (CTNBio). A CTNBio é uma instância colegiada multidisciplinar, criada em 2005, que trata sobre a biossegurança nacional. De lá para cá e mesmo antes de 2005, vários produtos transgênicos foram aprovados para cultivo e comercialização, no Brasil, inclusive a soja resistente ao glifosato.

Muitos especialistas argumentam que a transferência de um gene de uma espécie para outra não seja, em si, um risco. Mas mesmo esse assunto é muito controverso entre geneticistas, ecólogos e ambientalistas. No entanto, o cultivo de plantas que recebem grandes doses de um herbicida que, comprovadamente, causa câncer leva o debate sobre rotulagem ou não de produtos transgênicos a novos patamares.

É preciso também levar em conta, nesse debate, vários outros fatores além da biossegurança. Um deles é a viabilidade econômica destes cultivares para pequenos e médios agricultores. Outros fatores que não podem ser desprezados seriam as implicações do monopólio dos pacotes tecnológicos (planta transgênica resistente e herbicida), bem como os danos ambientais, econômicos e para a saúde dos envolvidos. Mas, acima de tudo, se mantivermos a opção de abertura total aos transgênicos, a não rotulagem desses produtos representa uma perda de um direito fundamental: o de livre escolha.