Em assembleia realizada no dia 13 de março deste ano, a categoria representada pela APEOESP, Sindicato dos Professores do Ensino Oficial do Estado de São Paulo, decidiu entrar em greve, ainda sem previsão de término, pois não houve acordo até o momento.

Segundo os representantes da categoria, cerca de 3390 salas de aula foram fechadas em todo o estado, deixando desempregados cerca de 28 mil professores e as classes superlotadas.

Além disso, o Governo do estado não repassou a verba de manutenção referente ao ano de 2015, deixando as escolas ainda mais sucateadas e sem, nem mesmo, carteiras para os estudantes. Limitou a apenas um o número de professor coordenador por seguimento escolar, ou seja, se uma escola é constituída apenas por ensino médio, toda ela terá somente um coordenador.

Os professores reivindicam reajuste de 75,33%, escalonado até 2020, para equiparação salarial com as demais categorias com formação de nível superior, reabertura das classes, períodos fechados e desmembramento das salas superlotadas, tendo no máximo 25 alunos, direito ao Iamspe (Instituto de Assistência Médica ao Servidor Público Estadual) para todos os contratados, fim da "duzentena" e da "quarentena", período em que o professor fica afastado, sem vencimentos, para que o contratado não venha a criar vínculos com o estado, dentre outras.

Já o governo do estado, ora nega a greve, ora diz que ela é descabida. Alega que houve um reajuste de 45% nos últimos quatro anos, que esta é uma greve política e partidária. Em nota, a Secretaria Estadual da Educação informou que "rechaça as inverdades divulgadas pela Apeoesp para tentar promover seu calendário de mobilizações políticas."

Em todas as reuniões e audiências até aqui, o governo ofereceu 0% de reajuste e não há nenhuma perspectiva de que outras reivindicações sejam atendidas.

Não perca as últimas notícias!
Clique no tema que mais te interessa. Vamos te manter atualizado com todas as últimas novidades que você não deve perder.
Governo Educação

Ainda hoje, quarta-feira, nova rodada de negociações fora agendada pela própria secretaria da educação, ao qual se tentará um acordo. Os professores, que estão sem seus salários, já que o governo decretou o corte do ponto, mesmo a greve sendo considerada legal pela justiça, esperam pelo fim da paralisação o quanto antes. A comunidade escolar aguarda uma conclusão que seja satisfatória para todos e que as aulas voltem à normalidade.

Não perca a nossa página no Facebook!
Leia tudo