O número de Refugiados aumenta assustadoramente de acordo com a Frontex. Dados registraram a imigração de 800 mil pessoas ilegais na União Europeia, com 752.000 vindos pelo mar. Essa grande imigração causa sérios problemas aos países europeus, que sofrem uma grave crise econômica.

O QUE PODERÁ ACONTECER NOS PRÓXIMOS ANOS?

Os refugiados se deslocam para os países em um movimento imprevisível, na busca por melhores condições de vida e oportunidades de trabalho. Eles sofrem com os impactos da guerra e suas consequências: a fome, a miséria, o desespero, a perda de pertences e moradia. Todos esses fatores os levam a buscar outros países.

Os refugiados se deslocam, em sua maioria, para a Alemanha, Suécia, França e Inglaterra. Nessa viagem, muitos morrem  em naufrágios. Já outros, quase sempre são retidos e deportados. O sofrimento é grande, pois eles saem do país de origem por causa, sobretudo, das guerras, dos conflitos e do terrorismo.

Para Antônio Guterres, alto comissário da ONU para os refugiados, é fundamental que se encontre soluções para esta situação e que não se fechem as portas e fronteiras aos refugiados, pois eles se sentirão isolados e sem apoio, o que poderá contribuir para que se associem ao terrorismo. "Os países precisam receber esses refugiados. A maioria deles, são famílias, com crianças e mulheres grávidas, que precisam se fixar para garantir os seus futuros", afirma.

Antônio Guterres fala que o fenômeno dos refugiados se alastra e que os países europeus precisam encontrar soluções para receber essas pessoas.

Os melhores vídeos do dia

Os conflitos dos países não acabam e, ao contrário, estão crescendo. Os atentados são constantes e os envolvidos não encontram uma fórmula para solucionar as questões.

Cabe aos países, e a ONU, encontrar métodos que possam ajudar os refugiados. A massa imigratória não vai cessar e os países não conseguem aumentar os recursos, e ainda enfrentam calamidades naturais, como terremotos e maremotos.

As pessoas precisarão de ajuda dos governos, principalmente, com relação a: alimentação, moradia, trabalho e educação. Os governantes precisam atuar de forma humanitária e solidária.