A decisão é polêmica, e contraria outras resoluções judiciais. O juiz federal substituto da segunda vara cível de Colatina/ES, Guilherme Alves dos Santos, liberou a empresa Samarco de continuar a distribuição diária de 2 litros de água por morador do município, que tiveram suas vidas diretamente afetadas pela poluição do Rio Doce. A Samarco foi a maior responsável pelo desastre ambientalocorrido no final do ano passado, em Mariana/MG.

A lama chegou logo ao Espírito Santo, e desde novembro do ano passado a empresa cumpria a distribuição de água. A multa que a empresa deveria pagar em caso de descumprimento da punição (1 milhão de reais/dia) também foi praticamente descartada pelo magistrado, com a decisão de desobrigar a empresa do compromisso.

A alegação do juiz é de que a empresa "pode ter prejuízo" se continuar a distribuição.

Segundo o excelentíssimo, a turva água do Rio Doce, a menos de três meses do desastre ambiental, é potável. Nesse caso, os moradores (que não confiam mais na água do Rio Doce) terão de arcar com a compra da própria água.

A decisão foi tomada na última terça-feira (02) em Ação de Execução proposta pelos Ministérios Públicos Federal e do Trabalho. Há movimentação por parte dos procurados de tentar manter a distribuição de água para os munícipes, mas ainda sem sucesso.

Não perca as últimas notícias!
Clique no tema que mais te interessa. Vamos te manter atualizado com todas as últimas novidades que você não deve perder.
Polícia Natureza

Trecho do documento protocolado no dia 2

“O prosseguimento da execução, diante de tal moldura fática, poderia, ainda, causar à Embargante grave dano de difícil ou incerta reparação, posto que, se obrigada a despender recursos com o abastecimento de água mineral à população, mesmo diante da potabilidade atestada pelas centenas de laudos e vários órgãos técnicos, dificilmente recuperaria tais valores se a medida viesse a ser revertida muito ulteriormente (quem ressarciria a embargante/executada?

Os munícipes? O Exequente?)".

A pergunta dos moradores da região, no entanto, é outra, como a de Efigênia Martins, uma senhora idosa ouvida pelo ES-TV, da TE Gazeta: "E quem não puder comprar? Vai beber a água do Rio Doce?" A decisão judicial, no entanto, parece deixar explícita de que essa não é uma preocupação do Estado, coroando ainda essa certeza com a afirmação de que "a água do Rio Doce é potável" pouco mais de três meses após o rompimento da barragem em Mariana/MG.

Não perca a nossa página no Facebook!
Leia tudo