O Brasil surpreende quando um juiz que parecia apitar o jogo da Lava-Jato de forma correta e parcimoniosa erra gravemente ao apitar um pênalti inexistente depois do tempo regulamentar. A comparação pode parecer um exagero, mas é o que o Juíz Sergio Moro fez ao divulgar um grampo sobre a Presidência do Estado “sem saber o que era”. Ora, considerando todo o nervosismo que o estado político da Nação se encontra, considerando todos os valores já encontrados, considerando o tipo de “bandidagem” que estava sendo presa, esse mesmo juiz que liberou o BBB do Brasil Político resolveu julgar um Presidente da República em primeira instância (e faço as minúsculas representativas do que é ser primeira instância em relação ao foro privilegiado) e torcer para o lado que aparentemente deveria, no seu julgamento particular, ser o resultado esperado do resultado do torneio.

Pois bem, além disso, alega o próprio juiz em suas parcas desculpas ao STF, que ignorava o conteúdo e quem estava na fala, uma vez que os números dos telefones estão associados ao conteúdo do grampo, ou alguém acha que a conversa foi captada aleatoriamente por uma parabólica qualquer?

O Sergio Moro anulou as provas da Lava-Jato

Retornou assim, esse mesmo juiz, o caso contra o Ex-Presidente Lula e a atual Presidente de Estado para o STF, mas tornam nulas tais provas, pois foram coletadas ilegalmente, sem um processo criminal, conforme manda a lei, e em um foro ilegítimo, além de expor a dignidade e a moral dos “delinqüentes”, cabendo a eles agora o direito de processar o Estado por não guardar a Lei, por exposição vergonhosa e danos morais, fora eventuais perdas materiais que hão de se concretizar como doenças e tratamentos no futuro.

Para o povo, cabe esclarecer que o mesmo juiz não vai pagar por tais danos, mas o Estado, ou seja, a conta vai para o povo brasileiro de novo, devido a um erro primário de um juiz, não é um estudante de advocacia, cujo ego aparentemente escorregou quando começou a dar palestras sobre a Corrupção e se deixou levar pela presença maciça de curiosos desse ícone caído.

Pode um juiz e uma PF não saber o que fazem?

Com todo o respeito aos magistrados, professores, advogados e alunos, ficar devendo em um banco não é um crime hediondo em lei, até porque os juros são cobrados pelo valor de mercado e os ditos bancos tiveram lucros enormes naquele ano, indicando que as operações não foram danosas ao patrimônio e resultados dos bancos, que seriam em primeira ordem os principais reclamadores de direitos.

Não perca as últimas notícias!
Clique no tema que mais te interessa. Vamos te manter atualizado com todas as últimas novidades que você não deve perder.
Governo Corrupção

Ao publicar trechos seletivos da conversa, nem o juiz e nem a Polícia Federal sabem quem são os autores de tais delitos, quando eles são os únicos responsáveis pela guarda de todo material recolhido. Ou toda vez que a polícia recolher um computador, significa que nunca mais será devolvido? Será entregue a alguém desconhecido que vai sumir com o artefato? Em toda a história há o hilário do evento ocorrido, falta decidir quem sai nessa semana e se estamos assistindo um Big Brother Brasil (BBB) ou Fazendinha?

Pedir para sair não é vergonhoso

Sem nenhum desrespeito a esse juiz federal que fez uma excelente carreira, mas como todo homem, está sujeito e cometeu erros graves. Cabe-lhe a saída honrosa, preservando a justiça de se desincompatibilizar da Lava-Jato, antes que os outros condenados comecem a exigir danos morais e materiais também.

Não perca a nossa página no Facebook!
Leia tudo