As eleições nacionais de 2002 levaram ao poder o sindicalistaLuis Inácio Lula da Silva, que manteve-se na presidência da Repúblicapor dois períodos (2003-2010), sendo então sucedido por sua pupila, Dilma Rousseff, hoje em seu segundo mandato - periclitante -, sob um expressivo índice de rejeição Política e social que poderá resultar em seu impedimento constitucional, processo ora em andamento no Congresso Nacional.

A partir do momento em que se acirraram os ânimos na Corte Política de Brasília (DF), envolvendo os três poderes montesquianos - cujo nascedouro, segundo o economista Delfim Neto, deu-se a partir dos protestos de 2013 -, deflagrou-se um processo crescente de deterioração da imagem política da presidente, derivando na dicotomização da sociedade brasileira: de um lado, o segmento socialcrescente dos descontentes e insatisfeitos com os rumos ameaçadores da economia e da política nacional, e de outro lado a aglutinação das forças sindicalistas (a partir da CUT), dos movimentos sociais (MST, MTST, MUST, os principais) e das agremiações políticas ditas de esquerda, em defesa da presidente Rousseff.

Instalou-se, então, um verdadeiro embate de forças entre ambos os grupos, cada um em defesa das suas convicções político-partidárias. Para o grupo dos descontentes com o Governo Rousseff, a única saída factível seria o impedimento (impeachment) da presidente, em razão dos crimes cometidos contra a nação, processo que se encontra em andamento no Congresso Nacional. Para o grupo dos apoiadores, o impedimento é entendido comogolpe, simplesmente.

A questão, contudo, não é pacífica. As bases hermenêuticas que consubstanciamo processo de impeachment estão solidamente fundamentadas.

Houve, sim, uma série de crimes praticados contra a nação brasileira pelo governo federal sob a batuta de Dilma Rousseff, presidente da República, e sua equipe de ministros. O pedido de impedimento da OAB nacional, por exemplo, cita: as maquiagens das contas públicas; isenções fiscais para a FIFA (Copa do Mundo 2014); nomeação do ex-presidente Lula da Silva para o cargo de ministro do Estado, a fim de "blindá-lo" por meio do foro privilegiado que o tiraria da alçada do Juízo Federal, encabeçado por Sergio Moro; tentativa de intervenção em julgamentos de executivos processados no âmbito da operação Lava-Jato; etc.

Vai ficar por fora de assuntos como este?
Clique no botão abaixo para se manter atualizado sobre as notícias que você não pode perder, assim que elas acontecem.
Governo Corrupção

Para finalizar, é cediço o rol dos supostos fatos promovidos pela presidente na negociação (compra) de votos no Congresso Nacional, a fim de livrar-se do processo de impedimento, o queconfiguraria a prática de crimes de corrupção, prevaricação e advocacia administrativa, fundamentando fartamente o impedimento.

Difícil desenhar um cenário provável de desfecho para o imbróglio em tela. Mas, o certo é que há uma constatação insofismável: o desgaste da figura política da presidente, seus ministros de Estado, seu partido político e apoiadores, e seu mentor, Lula da Silva, sairão deste embate seriamente abalados comprometendo-lhes o futuro político.

Não perca a nossa página no Facebook!
Leia tudo