O dia começou, na Comissão do Impeachment do Senado, com a tentativa de alguns senadores de impedir que o Senador Antonio Anastasia, do PSDB, fosse eleito para a relatoria dos trabalhos. Os senadores Vanessa Grazziottin, do PCdoB, e Gleisi Hoffmann e Lindbergh Farias, do PT, se empenharam, ao máximo, para fazer com que os demais senadores compreendessem ser antiético ter na relatoria - que, de certa forma, interfere diretamente no resultado final da votação - alguém tão intimamente ligado aos interesses dos que defendem o impeachment.

Anastasia, por ser do PSDB e, mais do que isso, por ser aliado e amigo de Aécio Neves, que combate Dilma desde o primeiro minuto de seu segundo mandato, e que carrega essa bandeira do impeachment com verdadeira paixão, realmente, por mais honesto que possa ser, não pode ser considerado alguém com isenção. O esforço dos senadores contrários a Anastasia foi em vão. E desde o início estava claro que seria, porque não há qualquer intenção da oposição de promover um julgamento democrático.

Sua impaciência para escutar os argumentos que vão contra seu plano é flagrante, eles não conseguem sequer disfarçar. Cada fala dos que se opunham à indicação de Anastasia era interrompida repetidas vezes pelos que a defendiam, em protesto efusivo contra o que eles sabiam poder colocar em risco a efetivação do 'golpe'. E realmente poderia, uma vez que o relator é peça-chave na questão e é seu relatório que servirá como apoio à votação final.

Não perca as últimas notícias!
Clique no tema que mais te interessa. Vamos te manter atualizado com todas as últimas novidades que você não deve perder.
Lula Governo

Já vimos a votação na Câmara, em que todos já sabiam qual era o voto do relator mesmo antes do início dos trabalhos. E deu no que deu.

O senador Ronaldo Caiado esbanjou antipatia e má-fé em todas as suas interferências. É daqueles cujo discurso tem claro objetivo de adubar sistematicamente o ódio já plantado por eles mesmos contra o PT. Alegou que o PT estava apenas procrastinando ao se opor à indicação de Anastasia.

Suas argumentações foram vergonhosamente frágeis e maliciosas, em puro desrespeito ao intelecto do eleitor. Refutou a tese de que o PSDB seria beneficiado com o impeachment de Dilma alegando que o vice-presidente, que assumirá o poder se Dilma cair, é Michel Temer, do PMDB. Como se o PSDB não apoiasse efusivamente o impeachment e já não estivesse em plena negociação com o partido de Temer para a formação de um futuro Governo.

Chegou ao cúmulo de dizer que são "exatamente" os 54 milhões que elegeram Dilma que a querem fora do governo, com a ressalva de que, se há alguns que não querem isso, é porque são beneficiários dos programas sociais do PT. Análise lamentável. É a esse tipo de político e a uma mídia que endossa seu discurso que devemos o clima de hostilidade que tanto tem nos feito sofrer e que bem algum faz ao Brasil.

Se o PSDB não queria demora e se Anastasia realmente não fizesse parte de um jogo de cartas marcadas, não se criaria tamanha polêmica em torno do assunto, e outro relator seria escolhido, pois muitos outros senadores seriam competentes para isso e teriam muito mais imparcialidade, por não serem nem do PT, nem do PSDB.

A obstinação da oposição em manter Anastasia na relatoria mostrou claramente que ela sabe que ele atuará de forma a concretizar a admissibilidade do impeachment. Por fim, Anastasia foi eleito, com 16 votos a seu favor e apenas 5 contra. A grosso modo, Anastasia na relatoria é similar a um juiz processar alguém por algum crime e esse mesmo juiz julgar a pessoa. Qual a chance do acusado ser absolvido? E assim o 'golpe' vai de vento em popa.

Assista ao Vídeo

Não perca a nossa página no Facebook!
Leia tudo