A oposição quer tornar concretas as propostas conservadoras nos costumes e liberais na economia? Neste sentido, não há motivos para preocupação. O governo Dilma não se esquivou da cartilha do PSDB e não conseguiu levar adiante as proposições mais relevantes dos esquerdistas, seja qual for a esfera de atuação.

Evidente que a ambição da oposição não é o direitismo puro-sangue. Aécio e FHC se proclamam de esquerda; o PMDB não ousaria reverter as conquistas sociais obtidas sob mandatos petistas (não a curto prazo), mesmo se tratando de evoluções estigmatizadas por detratores do atual governo e desqualificadas pelo delírio elitista.

Ética? Enquanto a oposição tiver seus principais expoentes implicados em investigações policiais e denúncias do Ministério Público, não haverá saldo moral a justificar a manjada “bandeira da honestidade” que os fisiologistas revoltos fingem abraçar. Quemconfiaria a Michel Temer e Aécio Neves o papel de fiador da decência nacional?

O PT foi bombardeado por elaborar um projeto de poder, não de governo.

Assumindo o leme, petistas adotaram políticas condescendentes, flácidas no trato com os vícios que a esquerda sempre atacou. E, agora, é a vez da oposição valer-se da tática da ascensão a qualquer custo, num vácuo de projetos para o país que caracteriza o jogo partidário brasileiro.

Veio a crise. O PSDB e seus asseclas catalisaram a impopularidade da chefe do Executivo, conduzindo a insatisfação popular à histeria, distorcendo instituições e chafurdando em "juridiquês" mal-ajambrado para maquiar ambições.

Não perca as últimas notícias!
Clique no tema que mais te interessa. Vamos te manter atualizado com todas as últimas novidades que você não deve perder.
Michel Temer Política

Contudo, enquanto estivermos sob este regime presidencialista, não é a impopularidade o fator determinante para apear do cargo uma presidente constitucionalmente eleita. Também não o são os jogos partidários e vinganças arquitetadas por congressistas ressentidos com o fim do direito assegurado à impunidade da propina. Blogueiros e colunistas ostentando inconformismo seletivo pintam e formulam a tragédia enquanto se gabam da condição de “trabalhadores”; sustentados, incentivados por barões midiáticos e louvados por brucutus simpáticos ao conservadorismo mais tacanho, criticam o “despreparo da esquerda” enquanto apoiam o mais estúpido dos revoltosos oportunistas, desses que aderem a passeatas envergando a camiseta da CBF.

O importante é fazer o que já esculhambaram: “estar contra tudo o que está aí” (isso não era mote para comunista iletrado, direitões?).

O PMDB do Temer – afinal, temos muitos MDB´s - não quer implantar seu “plano de país”: quer a cadeira presidencial pra impor um pouco mais do mesmo sem o lulopetismo requerendo participação.

Alardeia-se que o governo não tem legitimidade. Quais práticas se supõem aptas a suplantá-lo?

Aquelas propostas por Bolsonaro e Aécio Neves? DEM? Paulinho da Força? Aquele patético satélite tucano, o PPS?

A oposição, já comprometida com procedimentos que aponta como vícios exclusivos do governo em exercício, rememora todos os ranços e entulhos da Casa Grande para empolgar um processo judicial e político que, ao pé da letra, também a conduziria à cadeia. Investe na mágoa, no anseio de protagonismo de quem não acha suficiente apenas mandar.

Tem de oprimir com a tranquilidade e a impunidade que sempre lhe foram garantidas.

Não perca a nossa página no Facebook!
Leia tudo