Adeptos da prática naturista vão realizar, no mês de junho, um evento festivo fora dos padrões tradicionais: o “1º Forró Nu”, a ser realizado em Massarandupió, uma praia nudista, localizada no Litoral Norte da Bahia. A proposta é que o público interessado brinque completamente nu.

Festejos juninos ocorridos no Nordeste tem como ritmo protagonista o Forró - gênero musical que integra a identidade cultural da região.

Caracterizado pela dança abraçada a dois, essa manifestação festiva atrai, anualmente, milhares de turistas e cria oportunidade para a saudável “paquera”. Mas, no caso de um modelo de Forró tendo os participantes dançando nus, como evitar que essa iniciativa seja associada a um evento obsceno e como preservar a imagem do espaço naturistaenquanto local onde as pessoas exercem a sua liberdade sob o amparo do respeito?

Surgido no século XX, na Alemanha e na França, o naturismo moderno consiste em um conjunto de princípios éticos e comportamentais que propõe um estilo de vida alicerçado no retorno à natureza como a melhor maneira de viver e cultuando a vida ao ar livre, incluindo a prática do nudismo. Considerando que a sociedade brasileira, de um modo geral, foi socializada em um ambiente que recebeu fortes influências da ética religiosa, é compreensível que hajam “choques” e “resistências” por parte das pessoas diante da prática nudista.

Não perca as últimas notícias!
Clique no tema que mais te interessa. Vamos te manter atualizado com todas as últimas novidades que você não deve perder.
Curiosidades Viagem

Trata-se, nesse caso, de uma manifestação cultural e modelo de vivência bem diferentes daqueles que predominam no nosso país. Isto explica o “choque” e a dificuldade da sociedade brasileira em aceitar esse estilo de vida mais livre.

No imaginário popular, a ideia do nu ainda está muito vinculada à sexualidade, erotismo e sensualismo. É esse pensamento que induz uma pessoa leiga sobre a prática naturista a construir uma imagem deturpada, preconceituosa e etnocêntrica acerca desse estilo de vida.

É exatamente esse, acredito eu, o maior desafio dos organizadores do referido Forró: contribuir para “quebrar” a visão estereotipada de que praia naturista é um local relegado ao sexo livre, à obscenidade e promiscuidade sexual.

Certamente, mudar a maneira de encarar o nu não é tarefa fácil, sobretudo porque fomos socializados em um meio cultural onde o nu é algo que impõe constrangimento e, portanto, dever ser evitado, escondido, salvo em algumas ocasiões.

Entretanto, entre os adeptos da prática naturista não há espaço para a vergonha, mas para o respeito. Numa praia nudista os visitantes devem cumprir rigorosamente as normas de conduta.

A Federação Brasileira de Naturismo (FBrN) estabelece um código de ética para garantir um padrão de comportamento entre as suas áreas filiadas, dentre elas, a praia de Massarandupió, onde acontecerá o forró.

Praticar atos de caráter sexual ou obscenos em praias nudistas, ou assediar outros naturistas, são ações rigorosamente proibidas.

Além disso, não é permitido fotografar ou filmar outras pessoas sem a autorização delas. São essas e outras regras que vão assegurar ao público que a festa será realizada sob a égide do respeito, preservando a imagem dessas áreas no país.

Não perca a nossa página no Facebook!
Leia tudo