A segunda-feira teve mais acontecimentos do que nela cabiam. A notícia mais importante do início da tarde foi a de que Waldir Maranhão, presidente interino da Câmara desde que Eduardo Cunha foi afastado, anulara a votação histórica que acatou a admissibilidade do Impeachment de Dilma. O voto de Waldir Maranhão na Câmara já fora contra a admissibilidade, em desacordo com seu partido, o PP, que fechara questão em favor do impeachment.

Uma vez na presidência da Câmara, afirmou ter tido acesso ao pedido de anulação da votação, de José Eduardo Cardozo, e considerou que o pedido deveria ser acolhido em parte. Beto Mansur, o secretário da mesa diretora da Câmara, afirmou que o pedido de Cardozo fora desconsiderado por ter sido entregue quando o processo já fora encaminhado ao Senado.

Waldir Maranhão justificou sua decisão de anulação da votação pelos vícios que efetivamente ocorreram: o fechamento da questão pelos partidos, que impediu os deputados de votarem livremente, de acordo com sua convicção; o anúncio público dos votos dos parlamentares de forma prévia, que caracteriza prejulgamento e ofensa ao amplo direito de defesa; ter sido negada a palavra à defesa da presidente no último momento antes da votação; a não formalização do resultado da votação por Resolução.

O presidente interino da Câmara havia se reunido, durante o final de semana e na manhã da segunda-feira, com lideranças do PT e do PCdoB, e também com Cardozo. É certo que deve ter sofrido pressões também através das redes sociais, que fizeram a campanha #AnulaMaranhão. O fato é que a decisão de Maranhão, no início do dia, apesar de inesperada, parece ter sido motivada por algum fiapo de hombridade.

Não perca as últimas notícias!
Clique no tema que mais te interessa. Vamos te manter atualizado com todas as últimas novidades que você não deve perder.
Lula Governo

À tarde, Renan Calheiros decidiu simplesmente ignorar a decisão de Waldir Maranhão, qualificando-a como "intempestiva", "extemporânea", uma "brincadeira com a democracia". Houve tumulto no Senado. Renan negou a palavra à Senadora Vanessa Grazziotin, que protestou. O Senador Cassio Cunha Lima se referiu ao ato de Walmir Maranhão como "inexistente" e, não perdendo a chance de praticar seu odioso e recorrente machismo, insinuou que Vanessa havia se comportado de forma histérica.

Gleisi Hoffmann não deixou passar batido e lamentou a postura do Senador, realmente lamentável. O Senador Jorge Viana, do PT/AC lembrou que a decisão de Eduardo Cunha, de aceitar a denúncia contra Dilma, também foi uma decisão monocrática. E afirmou que Ruy Barbosa devia estar estarrecido com a afirmação de que a votação na Câmara fora um "ato jurídico perfeito". "Que ato jurídico perfeito cheio de vícios e ilegalidades foi esse?" - questionou.

Por fim, nada mudou. O Senado deverá votar a abertura do processo na quarta-feira, 11/05.

Ao final da tarde, Waldir Maranhão, visivelmente ofendido, fez um pronunciamento refutando a avaliação de Renan sobre sua decisão. Nas palavras dele: “Nossa decisão foi com base na Constituição, com base no nosso regimento, para que nós possamos corrigir em tempo vícios que, certamente, poderão ser insanáveis no futuro.

Nós não estamos e nem estaremos, em momento algum, brincando de fazer democracia.” Quem ouviu Waldir Maranhão nesse momento, jurou que ele era um homem sério. Mas, como no Brasil de hoje tudo é possível, correndo o risco de ser expulso de seu partido, à noite Maranhão revogou a própria decisão da tarde, sem maiores explicações. Ou seja: o próprio destino sempre é mais importante do que o destino do país. E quem amanheceu herói vai dormir como covarde. Pode isso, Maranhão?

Não perca a nossa página no Facebook!
Leia tudo