À meia temporada, repentinamente, o Corinthians perde seu treinador para a Confederação Brasileira de Futebol (CBF). Ao anunciar o desligamento de Tite, o presidente do clube, Roberto de Andrade, presume, tranquilo, que se alongaria uma “fila de interessados” para o cargo. Pouco se divulgou, oficialmente, sobre os longos cinco dias de negociações até a assinatura de Cristóvão Borges; muito se especulou, entretanto.

Por um lado, a vaga corinthiana teria sido preterida por Sylvinho (este foi confirmado pela diretoria), Roger Machado, Fernando Diniz, Dorival Júnior, até mesmo, Eduardo Baptista e André Villas-Boas. Por outro, teria sido pretendida, via empresários, por Vanderlei Luxemburgo, Diego Aguirre, e, quem sabe, Oswaldo de Oliveira.

De certo mesmo, sabe-se que:

  • nenhum dos nomes sobre a mesa satisfez as ganas alvinegras, dada a escassez de treinadores disponíveis no momento;
  • sequer se cogitou, em qualquer instante, uma técnica mulher para o cargo;
  • há mulheres de sobra com competência, inteligência e garra em todos os setores da sociedade, incluindo o futebol;
  • o Corinthians é o clube brasileiro que, historicamente, ostenta a tradição de encabeçar movimentos sociais, além de desportivos, importantes.

Breve histórico político do Corinthians

Começando pelo fim, o Timão, por se consolidar como o “time do povo”, sempre tomando partido dos “maloqueiros” e “sofredores” – portanto, “marginais”, no sentido quente da palavra –, ao longo de sua trajetória, encampou diversas lutas importantes.

Para citar exemplos recentes, recordem-se as manifestações contra a CBF, a Federação Paulista de Futebol (FPF), a hegemonia da Rede Globo, a supervalorização dos ingressos e o esquema de pagamento de propina em contratos superfaturados de merenda escolar por parte de um deputado paulista, além do explícito posicionamento contra o golpe consumado por Michel Temer na presidência da República. Ainda se deve relembrar o expressivo movimento Democracia Corinthiana que, em pleno regime militar, em 1982, propunha e efetivava um sistema de autogestão em que toda e qualquer deliberação no clube era decidida por maioria de votos (com votação de todos os funcionários e votos depeso igual), bem como estampava no manto alvinegro palavras de ordem como “Diretas-já” e “Eu quero votar para presidente”. Condiria com seu itinerário guerreiro empregar a primeira técnica mulher no futebol profissional masculino brasileiro.

Não perca as últimas notícias!
Clique no tema que mais te interessa. Vamos te manter atualizado com todas as últimas novidades que você não deve perder.
Futebol Corinthians

Treinadoras mulheres no comando de times masculinos

Muito se difunde acerca da opressão que a mulher padecenos países muçulmanos. Não é tão divulgada, no entanto, a notícia de que, desde o fim do ano passado, o time masculino do Al Nasr, no Sudão, já é comandado por uma vidrada por futebol: Selma Al Majdi, que almeja, nada menos do que treinar sua seleção,a despeito dos inúmerosobstáculos que ela enfrentou e certamente ainda confronta.

Ela não foi a primeira técnica mulher a assumir o cargo no mundo. De que se teve notícia, Corinne Diacre, aos 39 anos, teria sido a pioneira em meados de 2014, no time francês Clermont Foot, após jogar na seleção feminina de seu país, desde os 18 anos, assumindo a faixa de capitã por 12, além de já ter treinado uma equipe feminina e auxiliar o técnico Bruno Bini da seleção também feminina.

Obviamente, ter nascido mulher, por si, não abona talento de qualquer treinadora, contudo elas podem ombrear - e certamente o farão em breve - qualquer grande técnico homem.

É tão provável que não haja mesmo páreo para Tite dentre seus colegas disponíveis no momento, quanto improvável que não haja uma única mulher capaz de caprichar seu trabalho e conquistar títulos grandiosos sob o comando de qualquer equipe. Chegou o momento delas e de triplicarnão somente as filas de interessados em cargos de alta exigência no futebol, como também a excelência com que se os conduz, independentemente do sexo, do gênero, de qualquer tipo de diferença.

Não perca a nossa página no Facebook!
Leia tudo