Décadas atrás, o ex-presidente da França Charles de Gaulle teria dito que "o Brasil não é um país sério"! Alguns falam que a controversa frase, na realidade, não foi falada pelo francês de Gaulle, mas sim por um diplomata do Brasil que estava com ele. Nunca se terá a certeza absoluta do autor da frase, mas quando a mesma é utilizada para entender o comportamento de alguns políticos e personalidades do Brasil, de fato, o que ali foi dito faz bastante sentido e, lamentavelmente, negativo.

Exemplo disso foi o cruzamento das fotografias existentes no álbum do Facebook da ex-jornalista da Rede Globo, Cláudia Cruz, com as faturas produzidas pelo uso do seu cartão de crédito internacional. Cláudia é a mulher de Eduardo Cunha, deputado afastado do PMDB-RJ. As denúncias estão sendo conduzidas pelo MPF - Ministério Público Federal, o qual afirmou que por meio dessa estratégia, conseguiu rastrear as viagens e os gastos feitos por Cláudia, tudo sendo pago com o dinheiro obtido na Corrupção da estatal Petrobras.

Destinos como Nova York, Miami, Orlando, Zurique, Barcelona, Lisboa, Roma, Paris, São Petesburgo e Dubai foram escolhidos pelos Cunha entre os anos de 2013 a 2015, cujos gastos com os cartões de crédito resultaram no valor de US$ 526.760. A denúncia feita pela Operação Lava Jato revelou que Cunha e a sua filha Danielle, igualmente, possuíam cartões internacionais, sendo as faturas quitadas com o dinheiro da conta de Cunha em Köpek na Suíça e o saldo no banco alimentado com o sistema de corrupção reinante na Petrobras.

Não perca as últimas notícias!
Clique no tema que mais te interessa. Vamos te manter atualizado com todas as últimas novidades que você não deve perder.
Corrupção Política

Os gastos que diziam respeito diretamente ao cartão de Cláudia Cruz, totalizaram US$ 81.172; as faturas no cartão da herdeira Danielle apresentaram o valor US$ 269.327 a ser pago e por fim, as despesas no cartão de Cunha foram de US$ 169.730. A revelação de todo esse contexto obsceno do uso indevido do dinheiro público, levou Cláudia a ser ré na Lava Jato.

Fotografias

Foi em 2013 que as faturas obtidas pelo trabalho da Lava Jato coincidiram com as datas das fotos tiradas na viagem de Cunha e Cláudia à Espanha para assistir a Danielle, que estava se formando um MBA na Esade, escola de negócios, o que custou a bagatela de US$ 119 mil.

Dinheiro esse que a Lava Jato determinou ter vindo da mesma conta suíça Köpek e que em nenhum momento Cláudia declarou.

Eram fotos dos Cunha consumindo camarões, ostras e lagostas, bem como selfies de Cláudia na turística praia de Barcelona e posteriormente dela com a filha Danielle na França. Só em Paris ela gastou, na famosa camisaria Charvet Place Vendôme, com o seu cartão de crédito internacional, o valor de € 395, e ainda teve tempo de tirar fotos, tendo o rio Sena e a Torre Eiffel como molduras.

Ainda em 2013, no mês de setembro, Cláudia foi para os EUA, mais especificamente Nova York, e gastouUS$ 3.209 em compras na joalheria Tiffany, na loja de departamento de luxo Berdorf Goodman e na perfumaria Sephora.

Denúncia do Ministério Público Federal

O MPF fez questão de ressaltar que esses gastos são simplesmente incompatíveis, se forem comparados, com a renda declarada por Eduardo e Cláudia. Ou seja, gastaram mais de US$ 1 milhão em 7 anos, sendo que a jornalista declarou em 2015 à Receita Federal o valor de R$ 76.711,20 por serviços feitos por ela para pessoas físicas no ano de 2014.

“Não era de corrupção e isso ficará provado no processo”, disse a defesa da jornalista sobre o dinheiro encontrado na Suíça. De fato, "o Brasil não é um país sério", pelo menos nas pessoas de alguns políticos.

Não perca a nossa página no Facebook!
Leia tudo