"F de falcão" é um livro sobre luto. Ou, antes, era para ser. A autora, triste pela morte do pai, decidiu escrevê-lo como uma estratégia para lidar com a perda. Ao tornar público seu drama, Helen Macdonald faz um desabafo. E dá o abraço do afogado.

Macdonald era praticante da falcoaria, a arte de treinar falcões e outras aves de rapina para caça. Esporte relativamente comum em países como a Inglaterra, a falcoaria não deixa de ter seu lado cruel, como acontece com todas as práticas esportivas que envolvem animais; no caso, a morte, muitas vezes bárbara, para o animal caçado.

Ela decide, em meio ao luto, retornar ao esporte que havia abandonado.

Mas, ao invés de treinar um falcão, opta por um açor, considerado por muitos a mais predadora dentre as aves de rapina - e evitado pela maioria dos falcoeiros. O passo seguinte foi reler manuais de falcoaria escritos por outros adeptos do esporte, como Terence Hanbury White.

T. H. White foi um escritor famoso na Inglaterra por seus Livros sobre o Rei Arthur.

No Brasil, é conhecido por "A espada na Pedra", ou "A espada era a Lei", na versão adaptada por Walt Disney.

Apesar do sucesso literário, o escritor foi uma pessoa infeliz: veio de uma infância triste e violenta e, quando adulto, não aceitou e reprimiu a própria homossexualidade. Foi também um péssimo falcoeiro.

Atraída talvez pela infelicidade de White, Macdonald pesquisou toda a vida dele para escrever "F de falcão".

Não perca as últimas notícias!
Clique no tema que mais te interessa. Vamos te manter atualizado com todas as últimas novidades que você não deve perder.
Curiosidades Literatura

O resultado final é um mix narrativo que traz principalmente a biografia de White, um pouco do diário da falcoeira e, por último, a lembrança de seu pai. E as três narrativas falam, de diferentes maneiras, sobre dor, perda, e morte.

Escrito alguns anos após a morte do pai,"F de falcão" é mais o abraço do afogado do que angústia compartilhada ou livro-consolo. Mas, curiosamente, tem agradado público e críticos.

A autora inclusive foià Flip esse ano para o lançamento de seu livro.

Dizem os psicólogos que o luto se compõe de cinco fases: negação, raiva, barganha, depressão e aceitação. Quanto tempo dura cada uma, e como a pessoa irá lidar com elas depende da cada um.

Não perca a nossa página no Facebook!
Leia tudo