O sentimento do eleitor de que está sozinho, e que a classe Política é uma reunião de indivíduos ligados por seus próprios interesses, que normalmente se desvinculam do que a população anseia, fica a cada mais claro. O dia em que a Câmara de Deputados expôs suas entranhas perante toda uma plateia incrédula ao constatar a falta de preparo e uma postura de quem pouco está se incomodando com quem esteja fora de seus círculos familiares e/ou ideológicos, foi um marco.

O impeachment de Dilma seguiu para o Senado, e lá, outro sinal claro de que somos nós contra eles, ficou evidente.

A declaração de Lula, dada a um público ávido por suas explicações após a exposição feita pelo Ministério Público Federal (MPF) ligando-o ao esquema de corrupção investigado pela operação Lava Jato, foi, de forma torta, uma legenda para a foto, amplamente divulgada no dia do impeachment de Dilma, em que ela, José Eduardo Cardozo, Ricardo Lewandowski e Aécio Neves riem descontraidamente em um momento crucial para a sorte da ex-presidente.

Ao comparar políticos e concursados, desmerecendo estes últimos e enaltecendo os primeiros, Lula deixou claro o que a população enxergou na postura de personagens que, em um senso comum, estariam em campos opostos nas contendas políticas que abreviaram o mandato de Dilma. Ela, seu adversário derrotado nas urnas, o ministro condutor da sessão que julgou no Senado o pedido de impeachment –e o aprovou- e seu advogado de defesa pareciam pouco preocupados com as consequências daquele 31 de agosto.

Não perca as últimas notícias!
Clique no tema que mais te interessa. Vamos te manter atualizado com todas as últimas novidades que você não deve perder.
Lula Eleições

E, duas semanas mais tarde, Lula arrematou. Colocando-se em defesa da classe política em detrimento de servidores que passaram dias, meses e até anos estudando para ingressar no serviço público, deixou claro que, realmente, políticos se sentem em outra categoria, distanciados da população comum e, claro, merecedores de benesses e uma condição superior a quem apenas “se forma na universidade, faz um concurso e tá (sic) com um emprego garantido para o resto da vida".

Apesar de saírem às ruas para pedir votos, assim que os conseguem e são eleitos, rapidamente se desincumbem desta tarefa inglória, e, entre conchavos e coligações, colocam-se à vontade entre iguais, partilhando dos mesmos ideais que, normalmente, estão longe dos anseios da população.

Lula e os personagens da foto apenas tornaram evidente o que todo mundo já sabia: políticos, de forma geral, só se lembram da população no momento humilhante de ter de pedir voto a quem julgam inferiores a si mesmos. Encontrar a exceção a esta regra é a tarefa difícil à qual estaremos condenados neste domingo de eleição. Por isso, entendo perfeitamente quem opta por votar nulo.

Não perca a nossa página no Facebook!
Leia tudo