A postagem publicada no dia 12 de outubro por Norma Coeli se tornou notícia em diversos portais pela internet. Em seu texto, ela conta sobre como sentiu, desde que o nascimento, que seu filho era "diferente". Coeli conta que procurou mascarar o máximo que pode, criando a "filha" dentro do esperado para uma criança do gênero feminino, mas que a "garota" sempre gostou de jogar futebol e não entendia o motivo de não poder se vestir como seu irmão.

A mãe reconhece, ainda, que insistir para o filho se vestisse e comportasse como uma menina foi uma verdadeira tortura para José Bernardo, hoje com 18 anos.

Aos 12 anos, José Bernardo revelou à mãe que gostava de garotas, supondo que era lésbica. Mas, segundo a própria Coeli, gradativamente o filho foi se libertando das amarras sociais para se reconhecer e se revelar como transgênero. A mãe acompanhou os dilemas do jovem, sempre disposta a ouvi-lo.

Agora, com o registro de identificação social emitido pelo estado do Pará, a identidade masculina de José Bernardo foi devidamente legitimada e Norma Coeli a usou para ilustrar a postagem (posteriormente apagada pelo Facebook, que não permite a publicação de fotos de documentos pessoais revelando os dados da pessoa), na qual informa à família que o filho deve ser tratado no gênero com o qual se identifica.

Não perca as últimas notícias!
Clique no tema que mais te interessa. Vamos te manter atualizado com todas as últimas novidades que você não deve perder.
LGBT

Oestado permite a emissão do documento social para transexuais e travestis, sendo Belém a primeira cidade a adotar a prática, amparada pela Lei nº 9.199/2016.

A atitude da mãe é um exemplo para familiares e amigos que ainda lutam com a própria dificuldade de aceitação da identidade transgênero de uma pessoa que lhes seja próxima. Apoiar o indivíduo trans é importante para que ele se sinta impelido a viver como realmente é apesar da transfobia, violência e discriminação frequentes que ainda precisa enfrentar.

À BBC Brasil, José Bernardo relata que nunca foi agredido, apesar dos comentários negativos e olhares estranhos. Para ele, uma das principais razões pelas quais nunca se deixou abalar pelo preconceito foi justamente o amor e amparo da família.

Não perca a nossa página no Facebook!
Leia tudo