Em meio à prisão de Eduardo Cunha, o PMDB inteiro passa a se preocupar, não apenas o ex-deputado, uma vez que, agora, as investigações serão realizadas com foco também neste partido, que até o momento não tinha comprovações, apenas suposições em envolvimentos como este, investigado pela Operação Lava Jato.

O problema se encontra justamente nas acusações feitas pela população de modo geral e profissionais da área de direito e investigações, que, o então juiz que está cuidando dos casos citados, principalmente dos que envolvem a corrupção em nosso país, tem se preocupado apenas com os integrantes do PT, e não com outros partidos.

Justamente por isso, com Eduardo Cunha preso, toda essa realidade muda.

Nesse momento surgem dúvidas da população, inclusive sobre se este vai ser o momento tão esperado da prisão de Luiz Inácio Lula da Silva, o tão conhecido ex-presidente Lula, porém, é preciso entender que uma coisa não tem nenhuma relação com a outra, uma vez que o poder, não apenas financeiro, mas muito, além disso, carismático, em meio e com o nosso país, não facilitam nenhum dos processos de tentativa de prisão de Lula.

Pesquisas apontam inclusive que, se ele se candidatasse em 2018, seria possível que viesse a ganhar, tamanho carinho e estima que grande parte do povo brasileiro tem por ele, apesar de todos os problemas que ele causou para nosso país.

Vale lembrar que a prisão de Eduardo Cunha não é definitiva e sim provisória, além de que, se ele tivesse sido preso antes da ex-presidente Dilma Rousseff ter sofrido impeachment, possivelmente toda a situação teria sido analisada de outro modo pelos envolvidos e também pelo juiz Sérgio Moro.

A TEMIDA DELAÇÃO PREMIADA

Um dos temores que mais tem tomado conta dos envolvidos na Operação Lava Jato, e que ainda não foram identificados ou julgados, é que Eduardo Cunha aceite participar da delação premiada para ter algumas vantagens em meio a sua prisão.

Para quem não sabe, esta é uma técnica de investigação consistente que gera vantagens àquele que adotar e realizar informações proveitosas ao Estado do feito delituoso. É mais exatamente tragada e chamada de auxílio premiado, uma vez que todas as pessoas envolvidas e que contribuem com a técnica são beneficiadas.

Segundo um dos artigos que incumbem à delegação premiada, as vantagens variam entre isenção forense, diminuição da pena em até dois terços e substituição por penas restritivas de direitos.

Os resultados para as investigações são tão positivos, que algumas vezes podem chegar aoreconhecimento de envolvidos nos caos em questão, ao "apocalipse" da estrutura e trabalho da administração criminosa, a desconfiança de novos crimes, ao restabelecimento dos lucros cativados com a realização criminosa ou a localização de eventual vítima com sua castidade física assegurada.

O melhor de tudo é que a delegação premiada nem precisa de aprovação do juiz, uma vez que pode ser decidida e acordada apenas entre a própria delegacia local e os responsáveis por ela, como policiais e delegados.

Porém, não há como prever se Cunha vai ou não aceitar a delegação premiada, uma vez que isso apenas o tempo vai dizer.

Contudo, é muito provável que o ex-deputado aceite, pelas possibilidades que terá com isso, sobretudo, a de conseguir sair da cadeia mais rapidamente, ou ainda, diminuir consideravelmente sua pena.

Não perca a nossa página no Facebook!