Alan Ruschel, um dos três jogadores da Chapecoense do desastre de avião que vitimou grande parte da equipe, deu, neste sábado, a primeira entrevista coletiva depois que saiu do hospital. Com dificuldades em contar como sobreviveu à tragédia, prometeu que tudo fará para voltar a jogar. Perante os jornalistas, o jogador chorou muito e disse que estar andando é um milagre. Visivelmente emocionado, conseguiu manter a calma e responder à maioria das perguntas sem pausa.

Agradeceu também por todo o tratamento que tem recebido desde que acordou na clínica em Medellín.

Alan disse aos jornalistas que, no momento em que o avião caiu, Deus o pegou no colo e lhe disse que ainda tinha mais missão na Terra. Para o jogador, a única explicação são dois milagres: estar vivo e o milagre de poder caminhar. "Poder estar andando, é milagre de Deus", afirmou o jogador. Ao longo da entrevista, Alan Ruschel chorou em alguns momentos, mas demonstrou bom humor e fez planos para o futuro, afirmando que espera voltar ao Futebol em 6 meses. No acidente, Ruschel machucou a coluna, tendo sido submetido a uma intervenção cirúrgica.

Lembranças do acidente

O jogador contou aos repórteres que não lembra do voo nem do acidente. A primeira recordação que lhe veio à mente é a de sua esposa, Marina, falando com ele no hospital. Allan disse que demorou a cair a ficha, pois não sabia o que estava acontecendo. Foram momentos de apreensão até descobrir o que se passava.

Mudança de assentos no avião

O jogador contou que mudou de assento antes do avião levantar voo.

Não perca as últimas notícias!
Clique no tema que mais te interessa. Vamos te manter atualizado com todas as últimas novidades que você não deve perder.
Futebol

Allan contou que o companheiro Cadu lhe pediu que ele sentasse mais para a frente, deixando os jornalistas sentarem ao fundo. Talvez tenha sido esse detalhe que tenha lhe salvado a vida.

Ruschel foi um dos 3 jogadores da Chapecoense que sobreviveram para contar a história.

A queda do avião que transportava a Chapecoense para a disputa da Taça Sul-Americana causou a morte de 71 pessoas, entre atletas, dirigentes e jornalistas que acompanhavam o time naquele que seria o maior jogo de sua história.

Só 6 pessoas sobreviveram ao acidente.

Veja o vídeo com a entrevista:

Não perca a nossa página no Facebook!
Leia tudo