Até alguns anos atrás o sinônimo de bom aluno era aquele que, com certa destreza, dominava o conhecimento total em ciências da natureza, Biologia, Física, Matemática e Língua Portuguesa.

Era bastante comum os pais cobrarem um desempenho melhor de seus filhos e também da instituição educacional, mas os tempos mudaram e a qualidade da Educação só decaiu. A prova maior disso são as constantes avaliações promovidas pelo Ministério da Educação que comprovam a baixa eficiência dos estudantes em diversas áreas do conhecimento.

A pergunta a ser feita é: por que isso acontece? A resposta é que nos últimos anos, pós-redemocratização, questões sobre o ensino público passaram a ser tratadas como algo de segundo plano pelos governos subsequentes, que se preocuparam mais em agradar suas bases políticas e se manterem no poder.

Entre as questões que o governo colocou em segundo plano encontrava-se a necessidade de realizar investimentos na qualificação de professores e modernização das escolas.

Quando Lula emergiu ao poder em 2003, acendeu-se uma luz que logo foi apagada, pois os governos trabalhistas não investiram tanto na educação pública quanto favoreceu a área privada. Pelo contrário, em alguns casos, salvou muitos empresários do setor da falência.

Segundo índices da Prova Brasil de 2015, apenas 7,3% dos estudantes alcançaram nível satisfatório em Matemática, além da baixa proficiência em leitura.

Não perca as últimas notícias!
Clique no tema que mais te interessa. Vamos te manter atualizado com todas as últimas novidades que você não deve perder.
Educação

Isso comprova que formamos uma geração de incapazes.

Uma pesquisa feita em 2015 pela Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Econômico (OCDE), publicada no jornal O Estado de S. Paulo, mostra que o Brasil ocupa 60ª colocação no ranking mundial sobre a qualidade da educação, atrás de Uruguai, Irã, Chile, Argentina, Peru e Colômbia.

Ainda segundo o jornal, os primeiros colocados foram Cingapura, Hong Kong, Coreia do Sul, Japão e Taiwan.

Os pesquisadores apontaram que esses países investiram pesado na educação pública de qualidade, coisa que as autoridades brasileiras ainda precisam aprender a fazer de forma urgente.

Não perca a nossa página no Facebook!
Leia tudo