Uma coisa é certa: a maioria dos americanos, e também todo o resto do mundo, não esperava que o magnata e um dos homens mais bem sucedidos dos negócios, Donald J. Trump, venceria as eleições presidenciais dos Estados Unidos da América. Isso se dá, principalmente, pela grandiosa propaganda negativa que a grande mídia americana (e mundial) fez antes e durante as eleições. E não foi só a campanha negativa sobre Trump, mas também todo um encobrimento sobre as polêmicas envolvendo os Clintons, para que o menor número de pessoas possíveis tivessem acesso a informações que pudessem prejudicar a candidata democrata, Hillary Clinton.

Mesmo com todo o establishment fazendo um esforço jamais visto para impedir que Trump chegasse ao cargo mais poderoso do planeta, não foi o suficiente para pará-lo. Donald Trump foi eleito o 45° presidente dos EUA, e com isso, entrou para história como sendo o homem que venceu a maior campanha de assassinato de reputação de toda a história. Nem mesmo a grande mídia, utilizando as mentiras mais deslavadas, foi capaz de parar a vontade do povo americano de mudança.

Trump mostrou que é possível vencer o establishment e sua principal aliada, a imprensa.

Uma figura, que antes mesmo de anunciar que seria candidato a presidência do Brasil, já vem sentindo na pele, antes mesmo de Trump, o que é ser caluniado e massacrado pela imprensa é o deputado Jair Bolsonaro. Mentiras, calúnias e distorções da fala do deputado são matérias e artigos rotineiros para os grandes veículos de comunicação no Brasil.

Não perca as últimas notícias!
Clique no tema que mais te interessa. Vamos te manter atualizado com todas as últimas novidades que você não deve perder.
Jair Bolsonaro

A ferramenta mais poderosa do movimento globalista é a imprensa, e foi com ela que tentaram evitar a vitória de Trump e também tentarão evitar ao máximo a eleição do único candidato conservador e, principalmente, independente, que há no Brasil. A eleição de Trump serviu para mostrar que não estamos na mão de um pequeno círculo de interesses especiais globais armando o sistema. Há sim esperança, e também chances reais, de no Brasil, assim como na América, elegermos um candidato que pense no país.

Não perca a nossa página no Facebook!
Leia tudo