Um total 550 servidores foram expulsos no ano de 2016, de acordo com a Controladoria Geral da União. Este número baseia-se em 65% de funcionários expulsos por estarem relacionados à Corrupção e outra boa parte à falta de assiduidade ao trabalho.

Com isso, o brasileiro pode notar algo positivo, uma vez que o dinheiro público que era usado para pagar estes funcionários está sendo economizado. Além disso, é possível verificar que, com a exclusão dos mesmos, uma parte da corrupção foi detida (e dos funcionários fantasmas também).

Publicidade
Publicidade

É importante observar os anos anteriores, como 2015, quando 541 servidores foram desligados, sendo 61% por envolvimento com a corrupção. Os números e percentuais costumam se manter parecidos, o que é algo preocupante, tendo em vista que os motivos de desligamento são os mesmos. Significa que o comportamento não tem mudado e a capacitação para o cargo não tem evoluído.

O ano de 2016 obteve o maior número desde que se iniciou o levantamento de servidores dispensados (a partir de 2003).

Publicidade

Quantidade de exclusões e motivos

Desde 2003, é feito o levantamento dos dados e com isso pode-se observar como a peneira é importante para a contenção de todas as formas de corrupção. Desde o início da contagem até os dias atuais, 6.209 servidores foram desligados por cometer alguma irregularidade.

É interessante observar as localidades em que os desligamentos têm ocorrido com maior frequência e quantidade, para desta forma conseguir associar o tipo de política naquela área e aprimorar as técnicas de treinamento e de seleção dos funcionários.

Não perca as últimas notícias!
Clique no tema que mais te interessa. Vamos te manter atualizado com todas as últimas novidades que você não deve perder.
Corrupção

Em 14 anos, o Rio de Janeiro contou com 1096 desligamentos, São Paulo com 667, Distrito federal com 763, e com os maiores números de expulsões pelo governo federal, estão os agentes públicos do Ministério do Desenvolvimento Social e Agrário com 1558 desligamentos, Ministério da Educação com 1031 e Ministério da Justiça e Cidadania com 981.

Sendo assim, é possível chegar a conclusão que, com este sistema, mantêm-se uma noção da quantidade de corrupção existente, sendo necessário trabalhar para combater a mesma e chegar a novas ideias para tratar o problema.

Não perca a nossa página no Facebook!
Leia tudo