Como prender a atenção dos jovens aos conteúdos programáticos com tanta distração? A Escola está ultrapassada em meio à tanta tecnologia?

Essas têm sido algumas das perguntas que muitos educadores têm feito nos últimos anos, e também tema de algumas pesquisas nas universidades, além de serem utilizadas como título de congressos e eventos nacionais e internacionais, dissertações e teses, que tentam buscar alternativas sobre tal questionamento.

Mas falando dos desafios, precisamos nos atentar para a nova realidade, como chamar a atenção do alunos com celulares, cheio de aplicativos que lhes dão informações em tempo real? Essa é a grande sacada do momento: por que não utilizar a tecnologia a nosso favor, pegar os recursos que nos oferecem e utilizá-los como ferramenta de trabalho? Outra questão importante é fazer com que o aluno se sinta parte do processo, que tenha vontade de aprender e se sinta à vontade em estar naquele ambiente.

Trazer o que está se ensinando para a realidade do aluno.

E nessa corrente surgem algumas experiências que deram certo, como, por exemplo, a chamada escola da Ponte, situada em Portugal. Tal instituição, que utiliza práticas educativas alternativas desde 1976, que se afastam do chamado modelo tradicional, e que tem resultados excelentes reconhecidos por todo mundo. Uma escola onde os alunos têm liberdade para aprender e escolherem o que querem aprender.

O espaço é estruturado de modo que todos possam trabalhar com todos. Nenhum aluno é aluno de um professor só, nenhum professor é professor só de alguns alunos.

É uma escola sem turmas. Não existem salas de aula, no sentido tradicional, mas sim espaços de trabalho, onde são disponibilizados diversos recursos como: livros, dicionários, gramáticas, internet, vídeos, ou seja, várias fontes de conhecimento.

Os melhores vídeos do dia

Para quem pensa que estamos longe dessa realidade, está muito enganado. Na cidade de Cotia, em São Paulo, já existe uma escola que segue o mesmo modelo da escola da Ponte, que atende cerca de 180 crianças, pelo projeto Âncora e que conta com o apoio do educador português José Pacheco, idealizador e ex-diretor da Escola da Ponte.