O governo brasileiro, sob o comando de Michel Temer, que assumiu a presidência após impeachment da presidente eleita, Dilma Russeff, vem sofrendo com diversas manifestações públicas.

Marcado pelas manifestações, "Fora Temer", o governo brasileiro segue 2017 com mais manifestações e greves. Nesta sexta-feira, 28 de abril de 2017, a população mais uma vez voltou às ruas contra a reforma trabalhista, que tem dado o que falar.

Já nos Estados Unidos , o governo do presidente eleito Donald Trump não está melhor que o governo do país de terceiro mundo.

Neste sábado, 29, em Washington, a população foi às ruas contra a Política de reforma ambiental do então presidente.

Manifestação contra a Reforma Trabalhista no Brasil

Marcada para acontecer nesta sexta-feira, que antecede ao feriado em comemoração ao dia do trabalhador, no país, a "Greve Geral" foi anunciada, em 31 de março de 2017, na primeira manifestações ocorrida no país contra a reforma da Previdência e as mudanças na legislação trabalhista, defendidas pelo governo do presidente Michel Temer (PMDB).

A chamada "greve geral" levou pessoas às ruas em todo o país, movidas contra a reforma sindical da lei.

Esta manifestação deixou muito patrimônio público depredado e foi marcada por vandalismo e policiamento ostensivo.

A reforma da Trabalhista ainda em pauta na Câmara, e prevê diversas mudanças. Uma delas é o fim da contribuição sindical obrigatória, conforme o Projeto de Lei 6787/16 na versão apresentada pelo relator, deputado Rogério Marinho (PSDB-RN).

Não perca as últimas notícias!
Clique no tema que mais te interessa. Vamos te manter atualizado com todas as últimas novidades que você não deve perder.
Michel Temer Política

Tal reforma afeta diretamente os pequenos sindicatos, pois a contribuição é igual à remuneração de um dia de trabalho, o que mantém as entidades.

Em São Paulo, João Doria afirmou que colocará o prejuízo apurado na conta dos sindicatos que assinaram contra a reforma e que organizaram as manifestações.

Manifestação nos EUA

Trump, durante sua campanha à presidência, já havia classificado as mudanças climáticas como uma fraude do governo de Barack Obama.

E, em março deste ano, ele cumpriu sua promessa de campanha com a indústria carvoeira, retirando regras impostas por seus antecessores.

O atual presidente assinou uma medida dando fim ao 'Clean Power Plan' , que, segundo ele, "trará empregos" para o país. E também assinou uma moratória dando direito à exploração de carvão em terras federais pelo período de 14 meses.

O 'Clean Power Plan', medida do governo Obama, impõe a redução nas emissões de CO2, pelas centrais térmicas, como medida preventiva ao aquecimento global.

O manifesto deste sábado tem o objetivo de eleger candidatos com afinidade à causa ambiental, nas eleições intermediárias em 2018, e posteriormente na eleição presidencial de 2020.

A marcha que seguiu pelas ruas da capital americana coincidiu com os 100 dias do governo de Trump.

Não perca a nossa página no Facebook!
Leia tudo