No dia 26 de maio, estreou, na 5ª Mostra de Teatro Tiradentes em Cena, a peça T.R.A.N.S. (Terapia de Relacionamentos Amorosos Neuróticos Sexuais), que tem no elenco Andressa Ferreira (Jéssica), Carlos Verahnnay (Gustavo) e Thammy Miranda (Rafael).

Rafael é um surfista carioca estereotipado que vive um relacionamento com a estudante de psicologia Jéssica, a qual, entre trocas de lingerie e roupas esvoaçantes, procura brechas para aconselhá-lo a buscar soluções para seus problemas com a ninfomania e com o machismo nas sessões de psicanálise com uma psicanalista que não existe na cena.

Gustavo é um advogado mineiro, também estereotipado, que vai passar um tempo na casa de Rafael para continuar os estudos em Filosofia, sua grande paixão.

A trama se desenrola entre a irresponsabilidade de Rafael com sua vida e as constantes tentativas de Jéssica para que ele melhore como companheiro, vendo-se dividida entre o apelo sexual do relacionamento que vive e a sensibilidade encontrada no estudante de Filosofia e amigo da família de Rafael, Gustavo.

O roteiro bastante clichê busca na popularidade de Thammy Miranda a lotação dos teatros. O filho de Gretchen passou pelo processo transexualizador publicamente, o que contribuiu para a pauta de discussões sobre direitos das pessoas Transsexuais e Transgêneras.

No entanto, a popularidade do novo ator não promete segurar o público. É que a pauta da Representatividade é bastante urgente, assim como o debate sobre as identidades de gênero e as sexualidades e a peça ainda gira em torno de categorizações machistas, subserviência da mulher, piadas homofóbicas e uma inserção da temática trans desconectada da realidade e forçadamente interpretada pelo ator cisgênero.

Não perca as últimas notícias!
Clique no tema que mais te interessa. Vamos te manter atualizado com todas as últimas novidades que você não deve perder.
LGBT

A Filosofia ainda é mantida em citações datadas e desconexas como “Só sei que nada sei”, de Sócrates, e uma variação de Simone de Beauvoir, dizendo que “Não se nasce homem, torna-se”.

Em debate sobre Teatro e Cultura Trans, ocorrido na Cena Encontro da mesma Mostra, ficou nítido o descompasso entre o que o diretor/ator Carlos, a atriz Andressa e o ator Thammy pensam sobre a peça e o que ela realmente comunica.

O debate contou com a presença de Alexandre Lino (ator da peça Lady Christiny), Carol Braga (Culturadoria), Thammy Miranda, Rogéria Gomes (crítica de teatro) e Vinícius de Carvalho (Mestrando em Educação e Ativista LGBT+) e problematizou questões como responsabilidades político-sociais, processos de des-construção e representatividades.

Os automatismos superficiais da filosofia surgem como um apelo que fica perdido em si e na bagagem do estudante Gustavo.

Thammy Miranda optou por viver um personagem cisgênero e cai na armadilha da reprodução do machismo e do binarismo excludente de gênero, reforçando o local da mulher como submissa e objeto do homem insaciável. A personagem de Andressa apela notavelmente para a utilização do corpo mercadoria e possui poucas inserções interessantes, ficando à mercê do desejo dos dois homens. Os dois momentos interessantes da peça são quando Rafael fala sobre “a filha da Gretchen que virou homem”, utilizando o Queer como potência e quando Jéssica solta o famoso “Aceita que dói menos” sobre o preconceito de Rafael.

Entre as piadas homofóbicas que revalidam o local do homossexual em sociedade como o veado que merece o deboche e a reafirmação do machismo com gritos e apelo ao sexo, a peça ainda precisa de um bom transdiálogo com a contemporaneidade. A representatividade esperada no teatro, pelo menos nessa peça, necessita de maiores inflexões com o nosso contexto social. Afinal de contas, é preciso que sejam servidos ao público novos locais de empoderamento e enfrentamento às opressões. Rir de comédias requentadas pode até possibilitar o divertimento momentâneo de algumas pessoas, mas não contribuirá para as aprendizagens mais necessárias.

Não perca a nossa página no Facebook!
Leia tudo