Como muitos de nós sabemos, o feminismo é um movimento social e político que tem como objetivo conquistar o acesso a direitos iguais entre homens e mulheres. Esse grupo filosófico teve início no século XIX, como consequência dos ideais propostos pela Revolução Francesa, que tinha como lema a "Igualdade, Liberdade e Fraternidade". Porém, o movimento feminista só obteve popularidade a partir do século XX, com a influência significativa da escritora e filósofa Simone de Beauvoir.

No Brasil, temos a Maria da Penha, um grande ícone na luta feminista brasileira.

Diferente do machismo, que é o comportamento que coloca o homem na superioridade em relação a Mulher, o feminismo busca construir condições de igualdade entre os gêneros. Sabendo disso, percebemos que o feminismo e o machismo não são termos contrários um ao outro. Hoje em dia, não são apenas as mulheres que se denominam ou compartilham pensamentos feministas.

Alguns homens, que se sentem incomodados com o "comportamento social do machismo", partilham da mesma visão de liberdade e direitos igualitários entre os sexos.

Livros fundamentais para entender o feminismo

Como o pensamento feminista vem tomando cada vez mais força com o passar do tempo, é importante sabermos os 7 melhores Livros sobre o tema para que possamos nos educar, aprender um pouco mais sobre o assunto em questão e percebermos o quanto essa luta pode ser difícil.

Não perca as últimas notícias!
Clique no tema que mais te interessa. Vamos te manter atualizado com todas as últimas novidades que você não deve perder.
Mulher Literatura

1. O segundo sexo – Simone de Beauvoir

Uma obra clássica e básica para o entendimento do feminismo. É considerada por muitos um marco teórico importante na chamada segunda onda do feminismo, com início nos EUA e se expandindo para o mundo ocidental e além. O livro tem diversos conceitos e argumentações importantes para a luta da causa.

2. Reivindicação dos direitos da mulher – Mary Wollstonecraft

Considerado um dos documentos fundadores do feminismo, o livro denuncia a exclusão das mulheres do acesso a direitos básicos no século XVIII, especialmente o acesso à educação formal.

Escrito em um período marcado pelas transformações que o capitalismo industrial traria para o mundo, o texto discute a condição da mulher na sociedade inglesa. O livro é uma referencia teórica para as precursoras do feminismo contemporâneo e uma leitura essencial para as discussões de gênero.

3. Um teto todo seu – Virginia Woolf

O livro é uma reflexão acerca das condições sociais da mulher e a sua influência na produção literária feminina.

O texto é baseado em palestras proferidas pela própria autora em 1928.

4. A mística feminina – Betty Friedan

O resultado de anos de pesquisa da autora, que entrevistou varias mulheres entre 1940 e 1950. A ideia do livro foi desmontar o mito da dona de casa feliz pós guerra, que tinha se espalhado pelos meios de comunicação. Destaca também a educação recebida pelas mulheres na infância, onde as mesmas não eram estimuladas a serem independentes.

Eram encorajadas apenas a desenvolver habilidades para se casar e viver em função dos filhos e do marido. Com o passar dos anos, a mulher se sentia frustrada e desenvolvia diversos distúrbios psicológicos que oscilavam da depressão ao consumismo. Um dos mais importantes livros do século XX.

5. A cor Púrpura – Alice Walker

O livro narra a dramática trajetória de uma mulher negra na racista América do início do século XX. O texto também serviu de inspiração para a produção de um filme dirigido por Steven Spielberg, com o mesmo nome. A obra nos faz refletir sobre as relações de amor, ódio e poder, em uma sociedade ainda marcada pelas desigualdades de gêneros, etnias e classes sociais.

6. Universo desconstruído – Vários autores

A obra é uma coletânea de contos de ficção científica feminista. A ideia, segundo as organizadoras, é quebrar duas marcas extremamente negativas: que mulheres não sabem escrever ficção científica e que feminismo é um movimento que quer destruir o gênero masculino. O objetivo principal é a quebra dos estereótipos negativos que recaem sobre mulheres, gays, lésbicas, negros e homens.

7. Sobrevivi, posso contar – Maria da Penha

É o registro da vida da autora, que sofreu uma dolorosa, cruel e covarde violência. Maria da Penha oferece a obra como uma forma de contribuir com transformações, pelos direitos das mulheres a uma vida sem violência. História que muito tempo depois a tornou protagonista de um caso de litígio internacional emblemático para o acesso à Justiça e para a luta contra a impunidade em relação à violência doméstica e familiar contra as mulheres no Brasil. Ícone dessa causa, sua vida está hoje também simbolicamente subscrita e marcada sob a lei nº 11.340 ou lei Maria da Penha. Penha compartilha sua história de vida – tão particular e ao mesmo tempo tão comum à de tantas mulheres que levam no corpo e na alma as marcas visíveis e invisíveis da violência.

Essas são apenas algumas obras dentre várias disponíveis. Sabemos que a luta feminina continua na vida moderna. No Brasil, ainda existem varias mulheres sem voz. Mulheres que sofrem caladas, com marcas dolorosas e profundas. Sabemos também que a luta feminista continuará até a chegada ao seu propósito. O mundo moderno está cada vez mais consciente, e esperamos que a igualdade prevaleça em todos os sentidos. Somos todos humanos, somos todos iguais.

Não perca a nossa página no Facebook!
Leia tudo