Alguns sugerem que o Dinheiro move o mundo, ou talvez as moedas correntes assessorem o ser humano como alavanca, para que possa se mexer e dar vida ao mundo. A olhos nus é necessário vislumbrar que cifras financeiras não têm vida própria. As pessoas é que dão consciência às mesmas, fazem delas um amigo, aliado aos mais variados propósitos.

A fórmula mágica de ganhar fortunas sem trabalho árduo é divulgada das maneiras mais criativas.

A grande ideia está em ganhar a economia destes ambiciosos preguiçosos que se recusam a ser mão de obra. Recursos mais arriscados e menos estimulantes são utilizados por contrabandistas e traficantes que pagam pelo tráfego da ilegalidade. O corpo humano tem seu destaque também ao se falar sobre prostituição de luxo e derivados.

Certeza mesmo é o poder que o dinheiro exerce sobre a existência terrena.

Poder sobre sentimentos de ódio, amor, respeito e fé. Organizações religiosas vendem por cifras altíssimas e consideram estar distribuindo o bem estar espiritual à custa de preço "justo". Este valor é determinado pelo próprio fiel doador.

Políticos comercializam em campanhas eleitorais caríssimas a segurança pública a educação e lazer dos cidadãos. Seres humanos se casam e/ou se separam alegando amor, quando o objetivo verdadeiro era enriquecer.

Não perca as últimas notícias!
Clique no tema que mais te interessa. Vamos te manter atualizado com todas as últimas novidades que você não deve perder.
Relacionamento Opinião

Crimes e outras muitas ações do mal aproveitam a oportunidade a partir de importâncias vultosas.

Moedas de valor são bons meios de padronização de trocas, estimulantes de criatividade e meio igualitário de entendimento entre partes negociadoras. Riquezas, se bem instrumentalizadas, abrem e fecham possibilidades. O cuidado e atenção se focam no sujeito detentor das importâncias, que detém o propósito, circunstâncias e resultados das ações efetuadas.

Os valores se transformam conforme o indivíduo interage com os mesmos. Poderão ser para fins construtivos ou destrutivos.

Se faz necessário a coisificação do dinheiro, sem classificá-lo, com adjetivos suspeitos, como bom ou mal. Ambas qualidades não correspondem ao significado real da espécie financeira envolvida. Dinheiro é necessidade, bem de recursos limitados, objeto de troca reconhecida. Todos precisam de valores materiais, pois apenas pelo ar que respiramos não se cobra coisa alguma.

Riquezas trazem felicidade e infelicidade, dependendo da dinâmica que se coloca na obtenção das mesmas. Fortuna é boa e ruim conforme a índole e conhecimento do indivíduo que detém sua posse. Dinheiro é meio instrumental e, portanto, exige sujeito racional para gerenciá-lo.

Não perca a nossa página no Facebook!
Leia tudo