Não é novidade para ninguém que se manter com salário de professor no Brasil é no mínimo desafiador, considerando os inúmeros problemas existentes nas escolas públicas e a desvalorização da profissão.

Diante dos muitos fatores que contribuem para o desestímulo destes profissionais, principalmente daqueles que trabalham nas escolas públicas, a falta de infraestrutura adequada é um dos problemas que acarretam grandes prejuízos para o alcance do objetivo final, que é garantir Educação de qualidade aos alunos atendidos.

Com o que o professor gasta na escola?

Seja pela má administração dos recursos públicos, seja pela burocracia que atrasa o repasse das verbas para as escolas, seja pela necessidade de priorizar determinadas despesas em detrimento de outras, os recursos são insuficientes.

O fato é que, se o professor quiser garantir a execução de seu planejamento, o uso de itens básicos para o desenvolvimento de suas aulas, deve, muitas vezes, tirar do próprio bolso dinheiro para comprar papel ofício, cartucho para impressora, caderno, dentre outros itens.

Também é muito comum que os professores utilizem seus próprios equipamentos eletrônicos, como computador, caixa de som e micro system na condução das aulas. No caso da Educação Infantil, o apelo ainda é mais dispendioso financeiramente para os professores devido às peculiaridades no atendimento de crianças [VIDEO] bem pequenas, como o grande consumo de fraldas e outros itens de higiene pessoal. Quando falta este tipo de material nas creches, o professor se vê quase que obrigado a comprar pensando na sua própria condição de trabalho e no bem-estar das crianças.

Se mudarmos o foco e pensarmos nas escolas particulares que atendem crianças, a realidade não é muito diferente. Há um chamado “velado” e, às vezes, nem tão velado assim para que os professores desembolsem dinheiro para adquirir lembrancinhas para as festividades do calendário escolar que são inúmeras, objetos de decoração, além da contribuição para festas e eventos.

Cabe ressaltar que os professores o fazem por diferentes motivações, que vão desde a necessidade de resolver um problema que dificulta o bom andamento da rotina diária até o fato de gostarem de se envolver financeiramente para que tudo saia bonito e primoroso.

Salário é comprometido no exercício da profissão

Seja pelo motivo que for, a verdade é que se tomarmos como referência o Piso Salarial do Professor para o ano de 2017 para uma jornada de 40 horas, que é de R$ 2.298,80, segundo Ministério da Educação, podemos concluir que, se o professor que ganha este salário por mês gastar pelo menos R$ 20 mensais com alguma despesa na Escola, ao longo de um ano terá comprometido R$ 480, que correspondem a mais de 20% do piso.

Vale destacar que nem todos os professores recebem este salário mensalmente.

Sem pensar no juízo que se faça da despesa, ficam algumas questões para reflexão: O que está sendo reforçado com esta atitude por parte dos professores [VIDEO]e das escolas? A quem cabe manter as escolas nas suas necessidades? O professor tem obrigação de participar destas despesas?