Diretas já. Cadê a geração “Diretas Já” que foi às ruas gritar pelo direito do brasileiro de poder hoje eleger o presidente do país? Será que se arrependeu?

Para os internautas de outros países, convém esclarecer: depois de anos sob o domínio da ditadura militar, o Brasil foi às ruas na década de 1980 e, graças à mobilização da população indignada com o regime, impulsionada principalmente pelos movimentos estudantis, conseguiu mudar os rumos da história. Não seria hora de militar online a favor da queda do regime ditatorial da mídia oficial que hoje atravanca o progresso do Brasil, distorcendo informações e inculcando valores desprovidos de significado ético e moral nas novas gerações?

A covardia dos governantes

A covardia dos governantes corruptos impera no eterno país do futuro, onde um povo cheio de potencialidades socioculturais e artísticas é usado como massa de manobra na mão de grandes corporações e dos interesses mesquinhos de pouquíssimos que detêm o poder econômico, vivendo à míngua, esmolando dignidade pelos quatro cantos do rico e vastíssimo ‘’continente’’ chamado Brasil.

Nesse lamentável contexto social injusto, é inadmissível a omissão da maioria dos formadores de opiniões do país, que calados, suponho que afetados pela normose, permanecem agindo como se tudo estivesse bem, quando milhares de crianças desassistidas socialmente circulam drogadas e abandonadas pelas ruas entregues à própria sorte.

Hello! Estamos perdendo nossas crianças para o tráfico, para a prostituição e para a mendicância. Tudo isso para alimentar a indústria do faz de conta e do sonho impossível que inculca nos nossos jovens falsos valores e princípios desprovidos de lógica para uma vida verdadeiramente humana.

Uma grande covardia orquestrada pelos vermes que governam nosso país em diferentes frentes, aparelhados com as armas poderosíssimas do mass media, a TV, o rádio, os jornais e as revistas.

Mídia corrompida

A princípio, deu nojo a atitude dos fariseus da política brasileira que, munidos de discursos bem elaborados por consultores de marketing, invadiram a mídia corrompida do nosso país para se aproveitarem da ignorância imposta ao povo brasileiro por eles mesmos há décadas.

Anunciaram números falsos e estatísticas maquiadas de avanços na área educacional brasileira, visando o interesse político mesquinho nos milhões desviados dos cofres públicos que eventos como a Copa do Mundo de 2014 e as Olimpíadas de 2016 fizeram circular nas múltiplas contas bancárias discretamente mantidas nos paraísos fiscais. Mas, com a reflexão sensata fundamentada em valores éticos e morais de elevada transcendência, a atitude dessas pobres almas sebosas causa mesmo é pena.

É muita covardia a única oportunidade de redenção do nosso povo - a educação, direito de todo ser humano, ser oferecida capenga em condições medíocres, quando bilhões em investimentos foram gastos na construção de estádios de futebol, para agradar os interesses corruptos nacionais e internacionais promotores da Copa do Mundo e das Olimpíadas, os dois eventos de maior lavagem de dinheiro público da história da humanidade.

Qualquer criatura com o mínimo de discernimento crítico sabe que é ridículo o investimento feito em saúde, habitação e educação no nosso país. O que estão fazendo com gerações e gerações de crianças e adolescentes, que no futuro engordarão ainda mais os índices de problemas sociais, figurando nas listas de crimes e distúrbios psicológicos por não terem tido um desenvolvimento digno e cidadão nos seus processos de formação pessoal, é simplesmente genocídio social.

Gritemos!

Gritemos e principalmente nos mobilizemos frente à covardia perpetrada contra as gerações de jovens destinados a se tornarem mãos de obra barata e a viverem vidas medíocres, desprovidas de senso crítico e de Opinião na aurora de uma nova era, vitimas de um sistema educacional medíocre, com propostas pedagógicas fora da nossa realidade social, nivelando por baixo as capacidades e possibilidades de nossas crianças e jovens.

Meio-cidadãos reféns da política excludente de governantes desprovidos de ética e de moral, que subtraem os cofres públicos na maior cara de pau sob os holofotes de uma mídia podre que, mesmo em detrimento aos avanços tecnológicos da modernidade, insiste em promover a alienação, compactuando com interesses escusos e nada promovendo de reflexivo e enriquecedor no plano da coletividade.

Enquanto os formadores de opinião forem agentes da passiva e os promotores da alienação forem agentes da ativa, Seguiremos sendo o eterno país do futuro.

Acordemos formadores de opinião! Antes que percamos o bonde da história e sejamos meros covardes coadjuvantes na construção de uma realidade absurdamente injusta.