O mundo inteiro ficou chocado esta semana por causa de centenas de brancos de extrema-direita que se autointitulam como supremacistas. Eles tomaram as ruas da pequena cidade de Charlottesville, nos Estados Unidos, mostrando a face do fanatismo social norte-americano.

O grupo gritava palavras de ordem homofóbicas, anti-semitas, xenofóbicas, racistas e fazendo saudações nazistas. Durante o protesto, um grupo anti-racista foi atacado e confrontado pelo grupo de extrema-direita, um carro avançou sobre a multidão, deixando 19 pessoas feridas e matando uma estudante.

O mundo viu em todas as redes sociais e meios de comunicação que, mesmo em uma nação onde 95% da população é alfabetizada,o racismo existe.

O problema maior não é o que acontece apenas nos EUA, não é um fato isolado. No Brasil, o racismo ainda é maior e muito mais aparente, lá aconteceu uma tragédia em uma pequena cidade, aqui acontecem todos os dias em várias cidades e capitais.

É de se envergonhar que um país onde 52% da população é formada pela raça negra, possa existir o racismo. O fosso que separa os negros dos brancos no Brasil é pior ainda quando se separa por gênero.

Os homens jovens e negros são as principais vítimas da violência. Muitas vezes massacrados por quem devia dar segurança e em outras vezes por serem discriminados apenas pela corda pele. Já as mulheres são vitimas do racismo relacionado à estética. Muitas vezes pelo cabelo, nariz e pelo corpo, as mulheres negras são as que sofrem mais abuso sexual no país.

O #Preconceito não está relacionado apenas a pessoas anônimas ou a pessoas que vivem em comunidades. As jornalistas Maria Júlia, a “Maju” e Cristiane Damasceno, e as atrizes Sheron Menezes e Thais Araújo foram vitimas de preconceitos raciais em várias mídias sociais.

O Brasil foi construído por negros e é o pais onde existem mais negros depois do continente africano.

Em uma entrevista à revista Isto É, a jornalista Alexandra Loras, que é graduada pela Sciense Po, a mais respeitada escola de ciências políticas da França, diz que o Brasil pode ser considerado um dos países mais racistas do mundo. Segundo ela, o Brasil é visto pelos estrangeiros como um país otimista, com uma natureza exuberante, muito samba, Carnaval e mulheres liberais e com corpos seminus.

Enquanto a elite brasileira e a classe política não mudarem as leis e darem mais atenção ao seu povo, o país continuará liderando o topo de lista e sendo visto como um país onde a maioria da população é negra, mas racista. #preconceito racial #racismo no brasil