Para entender direito o que está acontecendo, devemos fazer uma análise. Na verdade, o Brasil foi o primeiro país do mundo a banir uma “cura gay”, que é basicamente um método que para determinar o nível de #Saúde mental de alguém, levando em consideração a sua opção sexual, e todas diferentes de “heterossexual” são consideradas arriscadas para a saúde mental e do corpo. Portanto, ser gay não seria saudável.

Qual o motivo do debate, se a cura gay já foi banida?

Um juiz federal, que atua no Distrito Federal, 14ª Vara, abriu uma espécie de precedente, uma das famosas “brechas da lei”, causada por uma determinada interpretação.

Dentro dessa brecha, tourou-se possível que um psicólogo possa fazer um “tratamento” com homossexuais.

Mas devemos entender que o Conselho Federal de Psicologia (CFP) proibiu há incríveis 18 anos, o que coloca o Brasil, como dito anteriormente, na frente do resto do mundo. De acordo com a própria entidade, a decisão do juiz Waldemar Cláudio de Carvalho é muito perigosa, pois incentiva práticas de “reversão sexual”, como se ser gay fosse uma doença.

As consequências desse tipo de “tratamento” são severas, podendo provocar sequelas e causar, aí sim, problemas psíquicos de verdade. O mais interessante é que essa prática viola os direitos humanos e ainda por cima não possuem embasamento científico, é a mais pura bobagem, mas pode ter consequências graves. Portanto, é necessário muito cuidado com esses “profissionais” e juízes que tomam esse tipo de decisão para agradar conservadores extremistas, que parecem querer fazer parte dos alt-right [VIDEO], aqueles que fizeram uma “manifestação” contra negros e imigrantes nos Estados Unidos.

Posicionamento do Conselho Federal de Psicologia

A posição dos psicólogos de verdade, que se baseiam em estudos, livros e pensadores, que aprenderam a ciência, é clara desde o ano de 1999, data da proibição desse tipo de tratamento homofóbico. A decisão, muito acertada, dos psicólogos foi que a mera presença de um psicólogo em qualquer tipo de serviço ou evento que promovesse qualquer tipo de tratamento de reversão sexual seria uma forma de incentivo, e isso somente reforça o preconceito.

Para se ter uma ideia de como seria o tratamento, que infelizmente já foi feito (na década de 1950), o paciente que “precisa” ser curado é submetido à tortura psicológica, onde sofre choques enquanto vê imagens masculinas, para ser criada uma associação de que homem nu = ruim.

Após isso, para serem incentivados a gostarem mais da presença feminina, eram levados à salas com enfermeiras atraentes enquanto não estavam sofrendo, para criarem a associação mulher = bom.

Desnecessário dizer que, além de não mudarem a opção sexual, as pessoas submetidas a esse tratamento apenas ganharam traumas e esse tratamento para curar um problema que não existe foi o causador de vários transtornos reais. Portanto, quem apoia e dá suporte à ‘’cura gay’’ é quem precisa de tratamento. #Gays #LGBT