As frequentes eliminações precoces de gigantes brasileiros na principal competição do continente fizeram com que a comunidade futebolística brasileira levantasse a seguinte pergunta, técnica ou raça? Afinal, ao longo da nossa história, sempre tivemos jogadores acima da média quando o assunto é técnica, por outro lado, não temos a raça de nossos vizinhos sul americanos, apesar de temos 5 Copas do Mundo ainda ficamos atrás em competições de interclubes. Por exemplo, na tão desejada Libertadores, em 57 edições, temos 17 conquistas com um aproveitamento de 53,1%, já os argentinos tem 24 conquistas com um aproveitamento de 72,7%, e o os uruguaios tem 8 conquistas com um aproveitamento de 50%.

Na Copa Sul-Americana, uma espécie de série B da Libertadores [VIDEO], tivemos até aqui 16 edições, isso se não contar a extinta Copa Conmebol. Temos 3 títulos contra 7 dos argentinos, os uruguaios ainda não ganharam. Analisando esses números, não parece ser uma situação preocupante, o problema é quando vemos as ultimas edições, o Brasil não tem um representante nas finais desde 2013, também é bem verdade que times equatorianos, venezuelanos, chilenos e etc. estão cada vez melhores.

Solução ou problema?

Mas e os brasileiros, estão cada vez piores? É notável a grande presença de "vizinhos" sul-americanos no nosso Campeonato Brasileiro, e isso é bom? Estamos procurando a tal da raça, a verdade é que desde de que os times brasileiros foram buscar jogadores sul-americanos, o nosso desempenho em competições internacionais caiu, hoje o número de estrangeiros que atuam no futebol brasileiro é de 55.

Em 2013, no ano em que o Galo se sagrou campeão da América, era de 28 atletas, ou seja, um número muito menor.

Denominado como o 'futebol arte', o futebol brasileiro vai ficando para trás. A nossa ginga nos pés sempre se sobressaiu dos mais diversos estilos de futebol e dia após dia vem se desmanchando. Cabe a nós aceitarmos e reconhecer o verdadeiro estilo de cada nação. Nosso futebol é o mais lindo [VIDEO] ou pelo menos era, a algum tempo atrás. A massificação do esporte nas ruas também vem sendo um problema, uma vez que os campos e quadras estão diminuindo e dando espaços para grandes construções. No entanto, não é esse o nosso foco, devemos sempre aplaudir a raça com que jogam os "hermanos", mas nos orgulharmos da beleza, do improviso e da genialidade que sempre fizeram parte do futebol-arte brasileiro.