‘Policia Federal – A Lei É Para Todos’ levou às salas de cinema mais de 500.000 pessoas em seus primeiros dias nos cinemas. Colaborou para este bom resultado nas bilheterias a emblemática data de estreia do filme, o feriado de 7 de setembro. Além disso, o filme ocupou mais de 1.000 salas por todo o Brasil, isso quer dizer 1/3 do total de salas de cinema do país.

Já havia muita polêmica envolvendo o filme meses antes de sua estreia, incluindo até mesmo a participação do empresário Eike Batista como produtor-executivo da produção, entre outras polêmicas em que o filme está envolvido.

Polêmicas e estratégias de marketing à parte, no que realmente importa em relação ao filme, a qualidade artística, infelizmente não há muito a se dizer. ‘Muito barulho por nada’, assim poderia ser definido o filme do diretor Marcelo Antunes, mais conhecido por seu trabalho com comédias nacionais.

É compreensível que em uma adaptação para o cinema de fatos reais, muito do que é visto na tela não tenha de fato acontecido.

Mas o filme peca pelo exagero ao dar tons de filme de ação do cinema americano a fatos que sabidamente não foram tão emocionantes assim.

A comparação mais direta que é feita com este Polícia Federal é com o oscarizado ‘Spotlight’, produção de 2016 que, apesar de não ser essa Brastemp toda, mostra que é possível uma produção baseada em fatos reais ser sóbria sem ser maçante.

Outro ponto negativo do filme é o ótimo ator Ary Fontoura interpretando o ex-presidente Lula, a construção do personagem pelo ator mostra-se um total fiasco.

Não perca as últimas notícias!
Clique no tema que mais te interessa. Vamos te manter atualizado com todas as últimas novidades que você não deve perder.
Lula

Não atrapalha o fato Ary não ser nada parecido com o personagem retratado, isso teria sido um ponto positivo da produção, o fato de não cair em tentação de querer fazer com que o ator ficasse o mais parecido possível com o ex-presidente. O que poderia fazer com que Ary Fontoura se concentrasse mais na construção do personagem.

Causa desconforto ver na tela o Lula interpretado pelo veterano ator, o ex-presidente é retratado de forma caricata.

Na tela vemos um Luiz Inácio Lula da Silva arrogante ao extremo.

O filme atira para todos os lados ao misturar vários recursos narrativos - e incrivelmente falha em todas as tentativas – narração em off, uso de flashbacks, cenas de ação e até mesmo uma tentativa de parecer descolado com o uso de animação logo no inicio do longa.

Se atualmente o cinema brasileiro consegue reproduzir a crueza da vida urbana com produções como ‘Cidade de Deus’ e os ‘Tropa de Elite 1 e 2’ e mais recentemente tem sido bem sucedido em retratar a atual classe média em produções como ‘A Que Horas Ela Volta’; ‘Aquarius’ e ‘Como Nossos Pais’.

o mesmo não pode ser dito quando o assunto está relacionado a temas como a política.

Não perca a nossa página no Facebook!
Leia tudo