Atualmente, com o avanço da tecnologia, o uso da internet e redes sociais estão cada vez mais acessíveis e uma grande porcentagem dos usuários são crianças e adolescentes. Mas é preciso lembrar os riscos que as redes sociais proporcionam e dos criminosos que podem estar do outro lado da tela.

Infelizmente, mesmo com os termos contratuais legais para criação de e-mails e perfis nas redes sociais, as crianças e adolescentes fraudam o cadastro alterando a idade para serem aceitos. Em alguns casos, os próprios pais realizam o cadastro de seus filhos de maneira incorreta sem se preocuparem com os riscos e vulnerabilidades que podem ser exploradas por cyber criminosos.

Mas como os cyber criminosos exploram as vulnerabilidades encontradas e cometem seus crimes?

Na maioria das vezes, o método mais utilizado é a criação de um “fake profile” ou em português o famoso “perfil falso”. Esse tipo de perfil se resume na criação de uma conta em redes sociais com informações falsas ou de outra pessoa, assim dificulta a descoberta da identidade da pessoa.

Deve-se ser lembrado que a criação de perfil falso é crime de falsidade ideológica e tem como punição até cinco anos de reclusão. Normalmente quem cria esse tipo de perfil estuda a vítima antes e cria, assim, um perfil atrativo com coisas em comum com aquela criança ou adolescente. Alguns exemplos de informações em comum temos: mesma escola onde estuda ou estudou, amigos em comum, livros, músicas, jogos ou até mesmo os mesmos tipos de páginas curtidas e grupos nos quais são membros.

Dessa forma, facilita a proximidade em desenvolver diversos assuntos até conseguir a informação que precisa e praticar o crime.

Quais crimes virtuais nossas crianças e adolescentes podem ser vítimas?

Os crimes mais comuns são a exploração e violação sexual contra crianças e adolescentes. Na maioria das vezes, os criminosos obrigam, por forma de ameaças, as crianças e adolescentes a se exibirem de forma sensual através das câmeras. Em casos extremos, após serem ameaçados, eles chegam a se encontrarem e acabam sofrendo abuso sexual seguido de estupro e até mesmo morte por pedófilo e outros tipos de maníacos.

Outro tipo comum de crime virtual cometido pelas próprias crianças e adolescentes é o cyberbullying, que são as mensagens e imagens com comentários depreciativos de forma ofensiva para a vítima. Esse tipo de mensagem ou imagem se espalha de forma rápida pelas redes sociais por meio de compartilhamento e assim a vítima não sabe de quem se defender uma vez que são muitas pessoas a humilhando ao mesmo tempo.

Deve-se deixar as crianças e adolescentes usarem a internet e redes Sociais?

Pode-se deixar esse público utilizar a internet e redes sociais, mas de maneira saudável, como forma de aprendizagem e até mesmo como lazer, porém com monitoramento de seus responsáveis e conversas constantes sobre o que estão procurando no mundo virtual. Deve-se conversar diariamente com os filhos expondo os riscos do uso incorreto da internet. Assim, com base no dialogo, se aproximar cada vez mais com vinculo de amizade, o monitoramento se torna algo natural e saudável sem ser visto de forma opressiva para a criança ou adolescente, garantindo a preservação de sua imagem tal como sua responsabilidade e integridade. #redessociais #Crimesvirtuais #cyberbullyng