Na última década, tornou-se rotina os “grandes” times brasileiros serem eliminados por equipes fraquíssimas da Bolívia, Equador e Paraguai. São sucessivos os fiascos, mesmo assim, os torcedores de diversas equipes seguem sendo enganados seja pelo clube, jogadores ou até mesmo por uma parte da imprensa que insiste em vender a falsa de ideia de que nossas equipes e campeonatos são de alto nível.

Os ingressos não só do futebol nunca foram tão caros.

Cada vez mais, o torcedor humilde, que por décadas lotou estádios, agora está fora deles, só mesmo quem tem um ótimo salário pode levar a família ou então ser sócio-torcedor de um clube chamado “grande”. Resumindo, vivemos a era da elitização do futebol.

Se os ingressos estão mais caros do que nunca esperava-se que o futebol estivesse de alto nível, não é mesmo? Porém o que ocorreu foi exatamente o contrário.

Já há alguns anos, os grandes clubes pagam salários de craques para jogadores abaixo da linha da mediocridade. Graças a uma bela estratégia de marketing, que conta inclusive com parte da imprensa esportiva iludindo o torcedor apaixonado, conseguem, como em um passe de mágica, transformar verdadeiros peladeiros de 5ª, em grandes craques. É como se você pagasse para assistir a um show do Rolling Stones e do Guns n’ Roses, mas acabasse assistindo ao Tiririca.

Não perca as últimas notícias!
Clique no tema que mais te interessa. Vamos te manter atualizado com todas as últimas novidades que você não deve perder.
Palmeiras Corinthians

Mimados e ruins de bola

É importante destacar que tirando os jogadores dos times grandes e alguns dos medianos, os outros 99% não conseguem sobreviver só da profissão de atleta. Mas é esse 1% que está na mídia e que recebe muito mais do que merece, não por culpa totalmente deles, mas também de dirigentes que, de maneira irresponsável, aceitam endividar um clube, pagando 300, 400, 500 mil a quem deveria ganhar no máximo 50 mil.

Os jogadores dos grandes times têm de tudo hoje, nutricionistas, fisiologistas, CTs de 1ª (em muitos clubes) e uma penca de profissionais para ajudá-los a render mais.

Entretanto, mesmo com toda mordomia, dentro de campo o que se vê é um festival de ruindade: erros de passes, toques e mais toques para o lado, cera, etc. O drible está praticamente extinto do jogo. Há partidas no Brasileirão em que são computados apenas 2, 3 dribles. Isso é futebol?

O pior de tudo é que quando criticados, muitos desses jogadores fazem “biquinho”, mas se conhecessem um pouco só sobre o passado recente do nosso futebol, ficariam constrangidos de receber tanto e entregar tão pouco

Vexames seguidos

Há pouco tempo, quando o Atlético MG foi eliminado pelo Jorge Wilsterman da Bolívia, os torcedores do Galo ficaram na bronca, mas logo a imprensa tratou de esquecer o assunto.

O que era para ser considerado como um vexame imperdoável, foi tratado como uma infelicidade e ponto. Só um detalhe sobre esses dois times: a folha salarial de um mês do Atlético, paga dois anos dos salários dos bolivianos.

O Flamengo também vem dando seguidos vexames em competições na Libertadores. É o time brasileiro que mais vezes foi eliminado na primeira fase da Libertadores. Há alguns anos, conseguiu a “proeza” de não conseguir se classificar em um grupo em que tinha um time da Bolívia, outro do Equador e outro do Chile. Este ano, apesar dos vários investimentos, novamente a equipe caiu na primeira fase do torneio. Porém, poucos dias depois, a mídia já estava dizendo que em 2018 “O Mengão virá com tudo na Libertadores”.

O Palmeiras, que se gaba por ter a folha salarial mais alta do Brasil, foi eliminado pelo Barcelona, não da Espanha, mas o de Guayaquil. Dias depois, o assunto estava esquecido.

Assim foram com tantas outras eliminações, como do Corinthians para o Guarany do Paraguai, do São Paulo, para o desconhecido Defensia Justiça, etc.

Por que não botam o dedo na ferida?

Uma parte da imprensa finge que os seguidos vexames dos times brasileiros são “fatalidades” e que o péssimo futebol de nossos jogadores ocorre apenas vez ou outra, porque não querem perder a audiência, o dinheiro do pay-per-view ou parar de vender jornal. É preciso criar uma realidade paralela e anunciar que no próximo domingo ou na próxima quarta, haverá um grande jogo, com muitos craques e jogadas extraordinárias, e que no ano que vem, ah! É certeza que os times brasileiros detonarão na Libertadores.

Resta saber até quando o torcedor, movido pela paixão por seu clube e pelas mentiras da mídia, seguirá pagando caro por algo que não vale nem 10% ou dará audiência, quando poderia fazer coisas bem melhores.

Os grandes times e seus torcedores merecem jogadores de qualidade muito melhores do que essa atual geração pode oferecer, exatamente por isso, salários e preço de ingressos precisam ser reduzidos, pois quem nasceu para cantar como o Tiririca, jamais será um Axl Rose.

Não perca a nossa página no Facebook!
Leia tudo