Era para ser apenas um comercial sobre o Dia das Crianças. Era. Às vésperas do dia 12 de outubro, a marca de sabão em pó da Unilever não usou como pano de fundo a roupa de meninos e meninas para ressaltar seus benefícios. Não. Preferiu passar a limpo a educação dos pais (pais mesmo, não País) e conseguiu, em 1 minuto e 15 segundos, manchar sua relação [VIDEO] com milhares de consumidores.

Para se ter uma ideia, desde o dia em que publicaram o vídeo Comunicado Urgente para Pais e Mães no YouTube, já são mais de 36 mil likes e mais de 229 mil dislikes. Um verdadeiro 7x1 em plena plataforma digital.

Omofobia

No link do vídeo, há até mais comentários do que positivações, e a reprovação é quase uníssona: “Deixem a educação dos nossos filhos em paz!!! Vão cuidar de inovar seus produtos que estão a desejar [sic]” ou “parabéns pelo vídeo nos mostrou quem são vcs.

perderam mais um cliente [sic]” ou ainda “Tchau OMO Bem-vindo Ariel que é muito mais cheiroso [sic]”. Teve até gente aproveitando o alto índice de rejeição para pedir emprego: “Se precisar de um novo diretor de marketing eu tô disponível [sic]”.

Mães, pais, gente de todas as idades e de todas as classes se revoltaram. Até mesmo famosos. Kiko, integrante da banda KLB, foi um deles: “O que é essa m... agora? O que essa p... de sabão quer se meter na criação familiar e particular de seus filhos? [sic]”. O ator Sandro Rocha também expressou sua indignação e comparou a atitude da empresa à de Hitler: “vocês estão tentando colocar isso na cabeça das pessoas e das crianças, de uma forma irresponsável, radical e extremista”.

Ao que parece, diante de um incessante bombardeio da mídia mainstream sobre o controverso tema e, em meio a polêmicas sobre zoofilia e pedofilia em exposições nas últimas semanas, a maioria resolveu não ficar calada.

E se a voz do povo for mesmo a voz de Deus...

Boicote à OMO

“Omo convoca pais e mães a fazerem recall de todas as brincadeiras que reforcem clichês sobre gênero”. Pela frase transcrita no vídeo da marca, dá até para entender o porquê de essa imensa maioria lacrar #BoicoteaOMO.

O recall acontece quando existe a necessidade de um reparo, quando há defeitos na fabricação de determinado produto. Significa dizer, então, que a criação dada pelos pais aos seus filhos é defeituosa. Significa também que a Omo entende mais de criação do que os próprios pais.

Os pais não estão exigindo que homossexuais e transexuais não tenham direitos. Querem apenas o direito de serem pais. Afinal, como a própria sociedade diz, são eles os responsáveis – pelas crianças e pela criação delas. Enquanto isso, a Omo deve se preocupar com outras coisas. Quem sabe começar a pensar no que vão dizer no Dia das Mães e no Dia dos Pais.