Grupos considerados reacionários por muitos internautas vêm invadindo a pauta das redes sociais com a ideia de que há manipulação ideológica comunista dentro das escolas, e que por isso deveria existir uma lei que impedisse a "continuação" dessa prática. Movimentos como o MBL (Movimento Brasil Livre) acreditam nessa teoria e brigam dentro de assembleias legislativas pelo direito de posicionar suas ideias.

Recentemente o município de Campinas aprovou a lei Escola sem Partido o que gerou, por aqueles que são contrários a essa lei, um grande debate nas mídias sociais e protestos na frente da câmara municipal e passeatas pelas ruas de Campinas.

Os professores alegam que se trata de uma #Lei da Mordaça (proibindo os docentes de apontar a exploração de uma classe sobre outra) onde se retira o direito do livre pensamento e debate sobre todas as ideias de uma forma plural. Alegam também que não há como evitar falar de política sem trazer a história, sem conceituar e sem poder refletir sobre acontecimentos atuais e passados e que a história está permeada de acontecimentos que foram tratados, e ainda são, como certos ou errados.

A grande maioria dos professores discorda dessa lei e acredita que é mais uma forma que os conservadores (muitos falam até em fascismo) estão encontrando para impor suas ideias totalitárias, extremas, retirando direitos e desrespeitando a constituição de 1988, pois está bem claro no capítulo III Art. 206, parágrafos: II - liberdade de aprender, ensinar, pesquisar e divulgar o pensamento, a arte e o saber; III - pluralismo de ideias e de concepções pedagógicas, e coexistência de instituições públicas e privadas de ensino.

Os melhores vídeos do dia

É possível afirmar que posições fascistas estão querendo tomar o cenário brasileiro nos dias atuais?

Sabemos dos exemplos recentes da história do mundo onde essa forma de governo totalitária foi instaurada e não tivemos bons resultados. Pelo contrário, geraram grande perdas e danos irreversíveis para a humanidade. Guerras (internas e externas) e campos de concentração são péssimos exemplos dessa fase obscura que um dia vivemos.

Por outro lado, se for realmente a volta de idéias #fascistas, devemos ser tolerantes com o fascismo por estarmos vivendo numa #Democracia? Mas isso seria absurdo (dar corda pra se enforcar), já que a existência do fascismo é a possibilidade da própria eliminação da democracia. Outras perguntas: Tem como dialogar com um fascista? Se uma pessoa com essa postura é considerada extremista, é possível fazê-lo com que respeite a opinião e existência do outro sem que ninguém precise recorrer à destruição de seu adversário? São essas perguntas que não querem calar...

Quais são os limites da democracia?

Por fim, é preciso que não esqueçamos do nosso passado, porque o passado nunca passa. É preciso estar em permanente vigília. Mas não só em vigília, como também tomando medidas e ações precisas e contundentes sobre a perda de direitos e até mesmo com a regressão de nossa humanidade.

É preciso pensar sobre o assunto. Fica a dica.