A médica radiologista Lucy Kerr já havia falado sobre os malefícios da mamografia [VIDEO] e também o fato desta não identificar os tipos de cânceres de mama mortais, que são os tumores moles (BRCA1 – BRCA2), informando que este é o principal motivo da mamografia não reduzir a mortalidade, além de identificar carcinoma IN SITU, que não é câncer, são microcalcificações com poucas possibilidades de se tornar um câncer, levando um aumento de mais de 30% em mastectomias (remoção total ou parcial da mama).

Se torna curioso o motivo destas campanhas surgirem apenas nos finais do ano, ainda mais quando se trata da mamografia, que foi abolida da Suécia e em outros países da Europa.

Se a mamografia é questionável e foi abolida da Suécia e mais alguns outros países da Europa, por qual motivo as campanhas orientando a população brasileira a fazer tal exame são exploradas incansavelmente em mídias televisivas apenas no final do ano?

Para um melhor entendimento sobre o possível motivo destas campanhas fortes surgirem apenas no final do ano, primeiro veja quais são as empresas enquadradas no Lucro Real Anual, modalidade esta que permite deduções de impostos em caso de doações. Veja quais são:

  • Bancos comerciais;
  • Bancos de investimentos;
  • Bancos de desenvolvimento;
  • Caixas econômicas;
  • Sociedades de crédito;
  • Financiamento e investimento;
  • Sociedades de crédito imobiliário;
  • Dentre outros.

De acordo com a lei 8.981/1995, as empresas enquadradas no lucro real anual poderão deduzir de seus impostos devidos as seguintes porcentagens:

  • 1% Programa Nacional de Apoio à Atenção Oncológica (Pronon);
  • 1% Lei do Fundo para a Infância e Adolescência (FIA);
  • 1% Lei do Idoso;
  • 1% Lei de Incentivo ao Esporte;
  • 1% Programa Nacional de Apoio à Atenção da Saúde da Pessoa com Deficiência (Pronas/PCD);
  • 4% por meio da Lei Rouanet de Incentivo à Cultura.

Vale ainda lembrar que o balanço do imposto devido para empresas neste segmento é sempre dia 31 de dezembro do ano corrente e nestes meses que se aproximam de tal data, fica muito mais fácil fazer uma projeção de quanto será o débito tributário e quanto poderá doar para a dedução.

Os melhores vídeos do dia

Repare que a possibilidade de doação para lei Rouanet, de incentivo à cultura, é 3 vezes maior do que incentivo para pacientes com câncer e com deficiência, tornando bem claro agora que o ciclo virtuoso está formado, onde a empresa que fez a doação ganha, as mídias televisivas ganham, os bancos ganham e há apenas um grupo de perdedores, pacientes com câncer e deficientes físicos, pois todo o dinheiro retornará para ambos (doador e receptor) de uma forma ou de outra.