Alguma vez você se considerou uma fraude? Mesmo trabalhando muito para atingir os seus objetivos, ainda acha que não merece o sucesso? Se a resposta for sim, talvez você sofra da Síndrome do Impostor.

A pessoa que sofre dessa síndrome se enxerga como burra, incompetente ou preguiçosa. Muitas vezes, acha que as suas conquistas são fruto da sorte, além de acreditar que está enganando os outros e, um dia, suas incompetências serão descobertas. Daí, vem o receio de que o sucesso seja só passageiro.

Veja, agora, quais são os sintomas da Síndrome do Impostor, aprenda a identificar se você sofre dela e confira algumas dicas sobre como lidar com esse mal.

Características da Síndrome do Impostor

Para que a fraude não seja revelada, há quem se prepare exageradamente para encobrir sua suposta incapacidade. Por acreditar que novas responsabilidades mostrarão o seu fracasso, a pessoa acaba reavaliando o próprio trabalho inúmeras vezes. Se o resultado for positivo, atribui o sucesso não à sua qualificação, mas ao grande esforço, o que leva ao medo de não conseguir empenhar-se sempre da mesma forma.

Em contrapartida, há aqueles que se esforçam pouco ou se recusam a receber ajuda. Eles não se preparam apropriadamente para uma atividade importante ou não se esforçam para nada além da sua obrigação. Dessa forma, evitam ter de atribuir os fracassos a si mesmos.

Pessoas mais atingidas

Normalmente, a Síndrome do Impostor se manifesta pela primeira vez no início da vida acadêmica e tende a crescer nas fases de mestrado e pós-graduação.

Os melhores vídeos do dia

Quem passa pela vida escolar sem maiores dificuldades também tem grandes chances de desenvolvê-la, já que acaba não se preparando adequadamente para as exigências da vida profissional.

Muitas mulheres sofrem desse mal por acreditarem que suas boas avaliações ou seu sucesso profissional são resultado de fatores secundários (como sua simpatia, por exemplo). Isso se intensifica quando elas ocupam cargos tipicamente masculinos. Esse tipo de pensamento contribui para que, até hoje, não existam tantas mulheres ocupando posições de destaque nas empresas.

Dicas para lidar com os principais sintomas da síndrome

Se você se identificou com as características acima, veja o que pode fazer em relação a cada um desses indícios:

  • Reação exagerada a críticas, mesmo com relação às construtivas

Você é um ser humano e pode, sim, errar. O importante é saber lidar com esse erro e ter a consciência de que para tudo há um conserto. Pense no que poderia ter sido feito de forma diferente para que o resultado fosse o planejado.

Analise cada erro e acerto sem atribuí-los instantaneamente à sorte ou à incompetência.

  • Sentir-se mal pelos elogios e as recompensas do trabalho

Aceitar as suas próprias vitórias irá lhe ajudar a lidar com futuras frustrações. Lembre-se de que você não precisa ser exatamente um mestre em tudo.

  • Comparação de si com as outras pessoas, acreditando que elas sempre são mais qualificadas

Às vezes, você se sente como se estivesse “fingindo” porque os padrões que definiu são altos demais. Por isso, faça a você a mesma avaliação que faz às outras pessoas.

Lembre-se também de que, ao se nivelar pelos outros, na verdade, você está comparando o seu interior com o exterior deles. Ou seja, as suas características íntimas com aquelas que eles selecionaram para mostrar ao mundo [VIDEO].

  • Crença de que somente o esforço, isolado, é responsável pelo sucesso

É muito fácil e cômodo atribuir os fracassos ao seu pouco esforço. Fortaleça a sua autoestima fazendo uma lista com os seus pontos fortes e as suas dificuldades. Avalie as ocasiões em que teve êxito e destaque as qualidades que lhe favoreceram em cada caso.

  • Medo de enfrentar desafios por se achar incapaz

Encare as novidades como uma oportunidade de aprendizado e crescimento pessoal. Se o medo for incontrolável, concentrar os seus esforços naquilo que já domina também não é de todo mal.