A revista Veja desta semana, publicada no sábado (25), uma reportagem de Giuliano Guandalini que mostra um estudo do Banco Mundial a respeito dos gastos com a aposentadoria dos servidores públicos no Brasil. Segundo a reportagem, cada servidor público aposentado custa cerca de 77 mil reais por ano. São cerca de 1 milhão de servidores. Sendo que os aposentados dos setores privados custam cerca de 5 mil reais, com um número de aposentados de 29 milhões de pessoas.

Esta é a prova viva da total irresponsabilidade com a administração dos gastos públicos por parte do Governo, uma vez que, segundo a mesma reportagem, somos todos iguais perante a lei.

Mas, eu lhe pergunto: que lei? Obviamente é a lei das cartas de quem governa este país com cetro de ferro e mantém o poder com notas de 100 reais.

Por que tanto gasto com o serviço público? Nós chegamos aos hospitais e vemos meia dúzia de médicos que batem ponto e vão embora. Chegamos numa escola e vemos meia dúzia de professores que fazem uma total lavagem cerebral nos jovens, onde a grande maioria dos alunos não tem noção de disciplina. e os diretores nunca tocaram uma vez sequer o hino nacional.

É este o serviço público, o mesmo serviço que é prestado de forma inerte e imprecisa, mas gasta de forma absurda e escancarada. O Brasil se tornou uma República absurda e incompreensível aos olhos de quem é verdadeiramente lúcido.

Não temos direito de nos proteger sem o governo, logo temos 60 mil mortes anuais.

Não temos direito a uma educação particular para a nossa família porque o governo cobra impostos abusivos que nos obrigam a frequentar escolas públicas caindo aos pedaços e onde se realizam rituais de lavagem cerebral nos jovens. Não temos direito de ter mais dinheiro para suprir nossas necessidades culturais extracurriculares por não termos salários decentes. Os empreendedores privados sofrem mais do que nós com os impostos abusivos e a burocracia quase que autoritária. Logo, não podem nos oferecer aumentos dignos.

O governo federal aponta a reforma da Previdência como a solução de todos os males, mas o verdadeiro mal é ele mesmo, que suga a sociedade e nos presta serviços públicos caros e desumanos. O Estado é a máquina que deveria manter e preservar o cumprimento das leis e da ordem, mas vai além dos limites e intervém na vida alheia e cria um cenário de desordem pública, financeira, cultural e humana.

Se isso não se configura escravidão e abuso de poder, podem me mandar para prisão ou para o manicômio, pois só posso estar ficando louco.