A eleição mais significativa de toda a república brasileira - ou todas - se aproxima. 2018 será um ano muito importante para a sociedade brasileira como um todo. Mas 2018 já se definiu e já vem se definindo desde 1988. O que eu quero dizer com isso?

Nós até podemos não ter por certo quem vai ser o presidente em janeiro de 2019, mas nós podemos bater o martelo sobre quem não vai ser. Sabendo quem não vai ser, podemos avaliar os cenários possíveis e as chances que cada candidato possível terão.

Quem não vai ser?

Lula – O ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva não será presidente e os "porque não" dele formam um funil de impossibilidades, onde ser pré-candidato já é desgastante.

Se candidatar será muito difícil e sair desse processo com força para passar pelo primeiro turno e enfrentar a sua alta rejeição num possível segundo turno seria uma confluência de acontecimentos de probabilidade mínima.

Digo isto mesmos sabendo da fidelidade que ele formou em seus eleitores. Para ser presidente é preciso formar uma onda, um sentimento popular, militância pura e simples funciona muito pouco neste processo. Lula não será o próximo presidente.

Aécio – O senador Aécio Neves (PSDB-MG) não é pré-candidato, mas está nesta lista apenas pela força que demonstrou em 2014.

ele obviamente não será o próximo presidente. Ele tem todos os problemas do Lula - em menor escala - e nenhuma militância. Dos 50 milhões que votaram nele, acho difícil encontrar 500 que ainda votariam. Arrisco dizer que nunca mais terá a mesma chance que teve.

Aécio perdeu a barca que passou em 2014 e que não passará tão cedo para políticos como ele. Aécio não será o próximo presidente.

Luciano Huck - Este tem uma boa imagem, tem bom tráfego entre a elite progressista, tem bom papo com o trabalhador que vê nele um benfeitor gente boa, fala bem com todo mundo.

Vai ficar por fora de assuntos como este?
Clique no botão abaixo para se manter atualizado sobre as notícias que você não pode perder, assim que elas acontecem.
Jair Bolsonaro Lula

Mas todos os motivos para votar nele já pertencem a outros que chegaram antes. Outsider? O deputado federal Jair bolsonaro (PSC-RJ) e o prefeito de São Paulo, João Doria (PSDB) já têm esta narrativa.

Área econômica? Pertence a Daria à direita e a Ciro gomes (PDT) à esquerda. A favor dos pobres? Sem Lula, talvez colaria, mas sua imagem está em simbiose com a imagem da Globo, tem tanta audiência quanto aversão nas classes baixas da pirâmide. Honesto? Já pertence ao Bolsonaro.

Dificilmente arriscará a sua imagem e se o fizer, rapidamente será identificado como o candidato da Globo, o que seria devastador.

O efeito Donald Trump, presidente dos Estados Unidos, exigiria dele uma postura mais forte, de enfrentamento. Huck não será o próximo presidente.

Geraldo Alckmin – O governador de São Paulo está identificado com a velha política e com o partido que mais cai perante a opinião pública. Não terá chances em 2018.

Dr. Ray - Só se o efeito Tiririca funcionar para a eleição presidencial. Pouco provável.

Então, quem será?

Inevitavelmente teremos como nosso próximo presidente um dentre estes quatro: Jair Bolsonaro, Marina Silva (Rede), Ciro Gomes ou João Dória.

Cenário nº1 - Jair Bolsonaro e João Doria no segundo turno é o cenário mais provável. O cenário mais provável tendo em vista a rejeição crescente que a velha política vem tendo. Neste cenário teríamos que prever se a rejeição que Bolsonaro tem é maior ou menor que a quantidade de indecisos e prever, principalmente, quem cooptará mais indecisos. Dória tem uma vantagem que é a de te menos oposição - além de menos rejeição.

Cenário nº 2 - Jair Bolsonaro e Marina no segundo turno. Nesse caso, a Marina tem as mesmas chances do João Dória, mas Bolsonaro teria muito mais retórica e muito menos oposição.

Cenário nº 3 - Jair Bolsonaro e Ciro Gomes no segundo turno. Este é o cenário mais imprevisível. Ciro é bom em meter os pés pelas mãos, também já está bem queimado. Mesmo tendo em vista que ele representa tudo que os novos velhos eleitores não querem, ele é muito bom de retórica.

Além dos debates, ele teria muito mais tempo de TV para, por exemplo, acusar o Bolsonaro de tudo que ele já é acusado e de bater na tecla da falta de preparo, de propor tecnicismos econômicos e encurralar tanto o Bolsonaro a ponto dele falar besteiras e confirmar todas as suspeitas levantadas.

Ainda assim, Bolsonaro teria uma gordura muito maior para queimar do que no primeiro cenário, por exemplo.

Cenário nº 4 - João Doria contra Ciro Gomes ou Marina Silva no segundo turno. Este é o mais previsível dos cenários, seria o cenário perfeito para João Doria, teria todas as melhores narrativas a seu favor. E você, o que acha?

Não perca a nossa página no Facebook!
Leia tudo